Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/13969
Tipo de Documento: Monografia
Título: Modelagem de nicho ecológico para a extinta preguiça gigante, Eremotherium laurillardi (Lund, 1894)
Autor(es): Fonseca, Camila Santos
Data do documento: 9-Nov-2020
Orientador: Campos, Alexandre Liparini
Resumo: No Quaternário há registros de grandes extinções para a megafauna de mamíferos, ligadas a flutuações climáticas, expansão humana ou interações ecológicas. Na América do Sul essas extinções iniciaram há menos de 15 mil anos e entender as alterações que ocorreram na distribuição da megafauna no passado nos ajuda a compreender atualmente os padrões de distribuição de espécies vegetais e animais. É com esse intuito, de um melhor entendimento dos potenciais locais de distribuição de espécies fósseis, que os modelos de nicho ecológico ou modelos de distribuição geográfica são aplicados, principalmente para complementar análises paleontológicas. O presente estudo tem como objetivo modelar o nicho ecológico de Eremotherium laurillardi (preguiça gigante) para a América do Sul, avaliando se as mudanças climáticas poderiam ter tido uma forte contribuição para a sua extinção. A escolha da espécie foi baseada na quantidade razoável de dados fósseis datados e georreferenciados disponíveis. Os dados de distribuição (coordenadas) e as idades dos fósseis foram obtidos através de buscas realizadas em literatura científica, já os dados climáticos foram extraídos da base de dados WorldClim. Após a preparação dos dados, foi realizada dentro do algoritmo Maxent a calibração multitemporal correlacionando as idades dos fósseis com as respectivas idades das capas climáticas, podendo assim ser avaliado e validado. Os mapas de adequabilidade foram projetados para as idades de 21 ka, para o contínuo entre 17 ka e 10 ka e para 6 ka. Nas comparações entre 21 ka e 6 ka (AUC = 0.842 e AUC = 0.845, respectivamente), as projeções mostraram que houve uma redução das áreas adequadas no Noroeste da America do Sul, porém no Nordeste as áreas apresentaram poucas alterações. Já para o contínuo (valores variando entre AUC = 0.834 e AUC = 0.867) houve uma expansão da área até 16 ka e logo após, as áreas de adequabilidade foram reduzindo até 12 ka, porém, em nenhum momento as áreas deixaram de ser totalmente favoráveis climaticamente. Em 11 ka há novamente uma expansão de áreas potencialmente adequadas à existência da espécie. Na idade de 11 ka ainda há registros da existência da megafauna, mostrando que parte da população teria sobrevivido ao momento climático crítico de 12 ka. Esses resultados corroboram outros estudos que indicam que o clima não teria sido o principal fator para extinção da megafauna.
Palavras-chave: Ecologia
Ensino de ecologia
Eremotherium laurillardi
Preguiça gigante
Desmatamento
Meio ambiente
Mudanças climáticas
área CNPQ: CIENCIAS BIOLOGICAS::ECOLOGIA::ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS
Idioma: por
Sigla da Instituição: Universidade Federal de Sergipe
Departamento: DECO - Departamento de Ecologia – São Cristóvão - Presencial
Citação: Fonseca, Camila Santos. Modelagem de nicho ecológico para a extinta preguiça gigante, Eremotherium laurillardi (Lund, 1894). São Cristóvão, 2020. Monografia (graduação em Ecologia) – Departamento de Ecologia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, 2019
URI: https://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/13969
Aparece nas coleções:Ecologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Camila_Santos_Fonseca.pdf602,44 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.