Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/3987
Tipo de Documento: Dissertação
Título: Efeitos do treinamento resistido de baixa intensidade em variáveis cardiovasculares e reatividade vascular de ratos
Autor(es): Macedo, Fabrício Nunes
Data do documento: 21-Fev-2014
Orientador: Santana Filho, Valter Joviniano de
Resumo: Treinamento aerobico de baixa intensidade aumenta modulacao parassimpatica e reduz atividade simpatica. Estas adaptacoes sao fatores para predicao de saude. O treinamento resistido (TR) e um importante componente de programas de condicionamento fisico, porem seus efeitos na regulacao autonomica nao estao totalmente claros. Nossa hipotese e que o treinamento resistido de baixa intensidade promova, assim como o exercicio aerobico, adaptacoes beneficas na modulacao autonomica cardiaca. Sendo assim, os objetivos deste estudo foram avaliar os efeitos do treinamento resistido de baixa intensidade na pressao arterial, no balanco autonomico cardiovascular e reatividade vascular. Um grupo de animais (n=8) foi submetido a treinamento resistido (GT), os animais controle (CO) foram treinados ficticiamente (sem exercicio). Apos 8 semanas de treinamento com 40% de 1RM (1 Repeticao Maxima) ou periodo ficticio de treinamento, a pressao arterial e o intervalo de pulso foram gravados e a arteria mesenterica foi removida e seccionada em aneis para analise da reatividade vascular. As drogas utilizadas foram: Acetilcolina (ACh): 10-9 . 10-4 M; hidrocloreto de N Ö-nitro-L-arginina metil ester (L-NAME): 100 ÊM. A sensibilidade espontanea do barorreflexo (SBR) e variabilidade do intervalo de pulso e da pressao arterial foram analisadas. Os animais que foram submetidos ao periodo de treinamento em baixa intensidade apresentaram reducao significativa da pressao arterial media (CO 117,04 } 2,68 vs GT 105,5 } 4,28, p=0,045), pressao arterial diastolica (CO 107,71 } 2.95 vs GT 97 } 3,42, p=0,001) e frequencia cardiaca (CO 395 } 7,1 vs GT 344 } 13,25, p=0,007) quando comparados ao CO. Em adicao, foi observado no GT um aumento da modulacao vagal cardiaca (LF/HF: CO 0,35 } 0,08 vs GT 0,14 } 0,03, p=0,034), SBR (CO 0,77 } 0,01 vs GT 1,05 } 0,1, p=0,019) e percentual de relaxamento induzido pela ACh nos aneis de arteria mesenterica (pD2: CO 6,2 } 0,1 vs GT 7,1 } 0,1, p<0,001) quando comparados ao CO. Alem disso, adicao de L-NAME reduziu o relaxamento induzido pela ACh (CO 52 } 3,2% vs GT 35,8 } 3,7%, p<0,01). Em conclusao, foi observado que o TR em baixa intensidade aparentemente tem um grande potencial em promover adaptacoes cardiovasculares beneficas mediadas por ajustes neuro-humorais, podendo assim ser uma possivel ferramenta na manutencao e tratamento para uma vida saudavel.
Abstract: Low intensity aerobic training increases cardiac vagal modulation and reduces sympathetic activity. These adaptations are factors to prediction of healthy. Resistance training (TR) is am usual component of fitness programs, however the effects on autonomic regulation are not totally clear. Our hypothesis is low intensity resistance training promotes beneficial adaptations in cardiac autonomic modulation, as aerobic exercise. Therefore, the aim was to evaluate the effects of low intensity TR on blood pressure, cardiovascular autonomic balance and vascular reactivity. One group of animals were submitted to TR, trained group (GT). Control animals (CO) were fictitious trained (no exercise). After 8 weeks of TR with 40% of 1RM (1 Maximal Repetition) or fictitious exercise, blood pressure and pulse interval were recorded and mesenteric artery was removed and sliced in rings for vascular reactivity analysis. The utilized drugs were: Acetilcholine (ACh): 10-9 10-4 M; Nù-nitro-L-arginine methyl ester hydrochloride (L-NAME): 100ìM. The variabilities of pulse interval, blood pressure and spontaneous baroreflex sensitivity (BRS) were also analyzed. TR animals showed an significantly reduction in mean arterial pressure (CO 117.04 ± 2.68 vs GT 105.5 ± 4.28, p=0.045), diastolic arterial pressure (CO 107.71 ± 2.95 vs GT 97 ± 3.42, p=0.001) and heart rate (CO 395 ± 7.1 vs GT 344 ± 13.25, p=0.007) when compared to CO animals. In addition, it was seen in trained animals an increase in cardiac vagal modulation (LF/HF: CO 0.35 ± 0.08 vs GT 0.14 ± 0.03, p=0.034), BRS (CO 0.77 ± 0.01 vs GT 1.05 ± 0.1, p=0.019) and percentage of ACh-induced relaxation of mesenteric arterial rings (pD2: CO 6.2 ± 0.1 vs GT 7.1 ± 0.1, p<0.001) when compared to the CO animals. Furthermore, the addition of L-NAME reduced the ACh-induced relaxation (CO 52 ± 3.2% vs GT 35.8 ± 3.7%, p<0.01). In conclusion, we observed that low intensity TR apparently was able to promote beneficial cardiovascular adaptations mediated by neurohumoral adjustments, being able to be a possible instrument on maintenance and treatment for a healthy life.
Palavras-chave: Fisiologia
Neurociências
Treinamento (Atletismo)
Sistema cardiovascular
Exercícios físicos
Cardiovascular system
Coaching (Athletics)
Exercise
Neurosciences
Physiology
área CNPQ: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::FISIOLOGIA
Idioma: por
Programa de Pós-graduação: Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://ri.ufs.br/handle/riufs/3987
Aparece nas coleções:Mestrado em Ciências Fisiológicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
FABRICIO_NUNES_MACEDO.pdf651,35 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.