Please use this identifier to cite or link to this item: https://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/11189
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorOliveira, Denilma dos Santos-
dc.date.accessioned2019-05-24T14:53:31Z-
dc.date.available2019-05-24T14:53:31Z-
dc.date.issued2019-04-25-
dc.identifier.citationOliveira, Denilma dos Santos. Avaliação da QAI em automóveis de pequeno porte, sob a influência do seu sistema de climatização. São Cristóvão, SE, 2019. Monografia (Bacharelado em Engenharia Ambiental) – Departamento de Engenharia Civil, Centro de Ciências Exatas e Tecnologia, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2019pt_BR
dc.identifier.urihttp://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/11189-
dc.description.abstractIndoor Air Quality (IAQ) of vehicular cabins deserves attention, as people spend more and more time inside their vehicles under the effects of the vehicular air conditioning system, which is currently a mandatory requirement for maintaining good air quality and environmental comfort of cars. However, such systems may pose a risk regarding the presence of pollutants in the indoor environment. Thus, knowing that the IAQ inside means of transportation is still little investigated in the academic environment and in the face of the complications and harms that bad IAQ in automobiles can cause to its occupants, besides the significant period that they remain in these environments, the present study aims to evaluate the QAI in small cars, under the effects of the air conditioning system, according to the age of the vehicle and the environmental conditions represented by the following parameters: CO2 concentration; relative humidity (RH); vehicle internal temperature and total volatile organic compounds (COVT), as well as to verify the influence of the use of deodorants / flavorings on the content of the latter parameter. For this purpose, four private cars were selected, manufactured between 2004 and 2017. Direct measurements were performed in each car in four different situations, making associations: car stopped + air renewal mode; car stopped + recirculation mode; moving car + air recirculation mode; moving car + air renewal mode. Each association was also correlated, in a second moment, under the presence of deodorant. The application of questionnaires to vehicle owners was also the object of this study. Based on the data presented, it was concluded that the newer car has a more efficient air conditioning system than the others, since it is possible to avoid CO2 accumulation in the two modes of air conditioning. The recirculation mode caused high levels of CO2 in all cars, exceeding the limit of 1000 ppm required by Resolution nº. 09/2003 of National Health Surveillance Agency (ANVISA), demonstrating non-compliance in the first minutes of measurement. Regarding temperature and RH, for all cars studied, there was no compatibility with the standards set forth in NBR 16.401-2. Regarding COVT, all cars showed a worsening in IAQ in relation to the concentration of deodorant after application of the deodorant, with only one exception where the owner of the vehicle was already using deodorant and the COVT content already exhibited significant concentrations in the measurements before the application of the deodorant used in the study.eng
dc.languageporpt_BR
dc.subjectEngenharia ambientalpor
dc.subjectEnsino de engenharia ambientalpor
dc.subjectClimatização de veículospor
dc.subjectModo de recirculaçãopor
dc.subjectModo de renovação de arpor
dc.subjectDesodorizante veicularpor
dc.subjectQualidade do Ar Interior (QAI)por
dc.subjectAir conditioning of vehicleseng
dc.subjectRecirculation modeeng
dc.subjectAir renewal modeeng
dc.subjectVehicle deodoranteng
dc.titleAvaliação da QAI em automóveis de pequeno porte, sob a influência do seu sistema de climatizaçãopt_BR
dc.typeMonografiapt_BR
dc.contributor.advisor1Marques, José Jailton-
dc.description.resumoA qualidade do ar interior (QAI) de cabines veiculares merece atenção, uma vez que pessoas passam cada vez mais tempo dentro de seus veículos sob os efeitos do sistema de climatização veicular, o qual, atualmente, é um requisito obrigatório para manutenção da boa qualidade do ar e conforto ambiental dos carros. No entanto, tais sistemas podem trazer riscos no que diz respeito à presença de poluentes no ambiente interior. Deste modo, sabendo-se que a QAI dos meios de transporte ainda é pouco investigada no meio acadêmico e diante as complicações e malefícios que a má QAI em automóveis pode ocasionar aos seus ocupantes, o presente estudo tem como objetivo avaliar a QAI em carros de pequeno porte, sob os efeitos do sistema de climatização, em função da idade do veículo e das condições ambientais representadas pelos seguintes parâmetros: concentração de CO2; umidade relativa do ar (UR); temperatura interna do veículo e compostos orgânicos voláteis totais (COVT), bem como verificar a influência do uso de desodorizantes/aromatizantes no teor deste último parâmetro. Para tanto, foram escolhidos quatro carros particulares, com fabricação entre os anos de 2004 e 2017. Medições diretas foram realizadas em cada carro em quatro situações distintas fazendo-se associações, a saber: carro parado + modo de renovação de ar; carro parado + modo de recirculação; carro em movimento + modo de recirculação de ar; carro em movimento + modo de renovação de ar. Cada associação foi também correlacionada, em um segundo momento, sob a presença de desodorizante. A aplicação de questionários aos proprietários dos veículos também foi objeto deste estudo. Diante os dados apresentados, concluiu-se que o carro mais novo possui um sistema de renovação de ar mais eficiente que os demais, uma vez que se consegue evitar o acúmulo de CO2 nos dois modos de condicionamento de ar. O modo de recirculação provocou altos níveis de CO2, em todos os carros, ultrapassando o limite de 1000 ppm recomendado pela Resolução n°09/2003 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), demonstrando não conformidade já nos primeiros minutos de medição. No que concerne à temperatura e à UR, para todos os carros estudados, não houve compatibilidade com os padrões previstos na NBR 16.401-2. No que diz respeito ao COVT, todos os carros demonstraram piora em relação a concentração deste após aplicação do desodorizante, com apenas uma exceção em que o dono do veículo já fazia uso de desodorizante e o teor de COVT já exibia concentrações significativas nas medições iniciais, antes mesmo da aplicação do desodorizante do estudo.pt_BR
dc.publisher.departmentDEAM - Departamento de Engenharia Ambiental – São Cristóvão - Presencialpt_BR
dc.subject.cnpqENGENHARIASpt_BR
dc.publisher.initialsUniversidade Federal de Sergipept_BR
dc.contributor.advisor-co1Ramos, André Luis Dantas-
dc.description.localSão Cristóvão, SEpt_BR
Appears in Collections:Engenharia Ambiental

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Denilma_Santos_Oliveira.pdf2,06 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.