Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/1347
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorSá, Antônio Fernando de Araújo-
dc.date.accessioned2014-10-22T23:16:48Z-
dc.date.available2014-10-22T23:16:48Z-
dc.date.issued1998-06-
dc.identifier.citationSÁ, A. F. A. História oral dos trabalhadores rurais sem terra em Sergipe (1985-1996): uma primeira aproximação com a entrevista com Guido Branco. Universidade e Sociedade, São Paulo, v. 8, n. 16, jun. 1998. Disponível em: <http://relaho.org/documentos/adjuntados/article/8/araujosa.pdf>. Acesso em: 22 out. 2014.pt_BR
dc.identifier.urihttps://ri.ufs.br/handle/riufs/1347-
dc.description.abstractA produção historiográfica sobre o mundo rural sergipano tem privilegiado, sobremaneira, o enfoque estrutural, especialmente o avanço das relações de produção capitalistas no campo, esquecendo-se, com raras exceções, da experiência da luta dos trabalhadores rurais em seu fazer-se. Esta tendência pode ser percebida num breve levantamento sobre a produção intelectual do Núcleo de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Sergipe, seguramente o principal centro de reflexão sobre a temática em Sergipe.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.publisherRed Latinoamericana de Historia Oralpt_BR
dc.subjectMovimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terrapt_BR
dc.subjectGuido Brancopt_BR
dc.subjectHistória oralpt_BR
dc.subjectTrabalhadores Rurais Sem Terra - MSTpt_BR
dc.subjectMemóriapt_BR
dc.titleHistória oral dos trabalhadores rurais sem terra em Sergipe (1985-1996): uma primeira aproximação com a entrevista com Guido Brancopt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.identifier.licenseCreative Commons Attribution 3.0 Unported Licensept_BR
Aparece nas coleções:DHI - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
HistóriaOral.pdf278,42 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.