Please use this identifier to cite or link to this item: https://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/18529
Document Type: Tese
Title: Efeitos do exercício físico em modelo experimental de lesão medular
Authors: Barros, Natalie de Almeida
Issue Date: 2022
Advisor: Camargo, Enilton Aparecido
Co-advisor: Martins, Felipe José Aidar
Resumo : Introdução: O treinamento resistido tem demonstrado ser uma alternativa promissora na melhora da qualidade de vida e independência funcional de indivíduos com lesão medular. Objetivo: Analisar efeitos do exercício físico em modelo experimental de lesão medular. Metodologia: O estudo foi realizado em duas etapas. Etapa 1: revisão sistemática para sintetizar evidências cientificas sobre o exercício como estratégia de tratamento em modelo experimental de lesão medular. Uma busca sistemática de artigos publicados até dezembro de 2021 foi realizada em seis bases de dados, utilizando os termos “spinal cord injury” and “exercise therapy”. A seleção dos estudos e a extração de dados foi realizada por dois revisores independentes. Foi realizada a avaliação do risco de viés pela ferramenta de risco de viés para estudos com animais da SYRCLE. Etapa 2: avaliação da resposta do treinamento resistido em marcadores de dano muscular e estresse oxidativo em modelo experimental de lesão medular. Foram utilizados 40 ratos Wistar, distribuídos igualmente em cinco grupos (n=8 por grupo): animais que não sofreram nenhuma intervenção (C); animais que foram submetidos ao procedimento cirúrgico, mas não sofreram lesão medular (S); animais que foram submetidos à lesão medular e não treinaram (SD); animais que foram submetidos à lesão medular e fizeram o treinamento (L); animais previamente treinados que foram submetidos à lesão medular e treinados novamente (TL). Para o procedimento cirúrgico, os animais foram anestesiados e tiveram a medula espinhal lesionada no nível da nona vértebra torácica. Os animais dos grupos de treinamento (L e TL) foram submetidos a um protocolo de treinamento resistido em um modelo de escada vertical adaptada, com frequência de três vezes por semana durante quatro semanas. Ao final do protocolo, os animais foram eutanasiados e o material biológico coletado para análise de dano muscular e estresse oxidativo. Resultados: Na revisão sistemática, foram incluídos 78 artigos, dos quais 60 utilizaram ratos e destes, 49 foram fêmeas. A região de predileção para a indução da lesão medular foi a torácica e o método de avaliação locomotora mais utilizado foi a escala Basso, Beattie e Bresnahan. Quanto ao risco de viés, o risco “alto” ou “incerto” foi encontrado em todos os domínios avaliados. Já no estudo experimental, foi encontrado que os animais submetidos ao treinamento resistido, apresentaram diferenças significativas (considerado p<0.05) nos marcadores de dano muscular e estresse oxidativo, evidenciando aqui, o grupo que foi previamente treinado antes de ser submetido à lesão (TL). Enquanto o grupo sedentário (SD) apresentou níveis mais elevados de estresse oxidativo, LDH e AST. Conclusão: Embora o treinamento resistido seja uma estratégia terapêutica promissora, ainda há lacunas científicas a serem preenchidas a fim de fornecer informações para a criação de protocolos norteadores para o tratamento da lesão medular.
Abstract: Introduction: Resistance training has added to be a promising alternative in improving quality of life and functional independence in compliance with spinal cord injury. Objective: To analyze physical exercise in an experimental model of spinal cord injury. Methodology: The study was carried out in two stages. Step 1: systematic review to synthesize scientific evidence on exercise as a treatment strategy in an experimental model of spinal cord injury. A systematic search of articles published until December 2021 was performed in six databases, using the terms “spinal injury” and “exercise therapy”. Study selection and data extraction were performed by two independent reviewers. The risk of bias assessment was performed using the SYRCLE Animal Studies Bias Risk Tool. Step 2: evaluation of resistance training response in muscle damage and oxidative stress markers in an experimental model of spinal cord injury. Forty Wistar rats were used, distributed equally into five groups (n = 8 per group): animals that did not undergo any intervention (C); animals that were diagnosed during the surgical procedure but did not suffer spinal cord injury (S); animals that were damaged to spinal cord injury and did not train (SD); animals that were damaged to spinal cord injury and underwent training (L); trained animals that were injured in spinal cord injury and retrained (TL). For the surgical procedure, the animals were anesthetized and had a spinal cord injury at the level of the thoracic vertebra. The animals in the training groups (L and TL) were collected in a resistance training protocol in an adapted vertical ladder model, with a frequency of three times a week for four weeks. At the end of the protocol, the animals were euthanized and the biological material collected for analysis of muscle damage and oxidative stress. Results: In the systematic review, 78 articles were included, of which 60 used rats and of these, 49 were female. The region of predilection for induction of spinal cord injury was the thoracic and the most used method of locomotor assessment was the Basso, Beattie and Bresnahan scale. As for the risk of bias, the “high” or “uncertain” risk was found in all evaluated domains. In the experimental study, it was found that the animals submitted to resistance training showed significant differences (considered p<0.05) in muscle damage and oxidative stress markers, evidencing here, the group that was previously trained before being submitted to the injury (TL ). While the sedentary group (SD) had higher levels of oxidative stress, LDH and AST. Conclusion: Although resistance training is a promising therapeutic strategy, there are still scientific gaps to be filled in order to provide information for the creation of guiding protocols for the treatment of spinal cord injury.
Keywords: Lesão medular
Treinamento resistido
Estresse oxidativo
Dano muscular
Spinal cord injury
Resistance training
Oxidative stress
Muscle damagel
Subject CNPQ: CIENCIAS DA SAUDE
Language: por
Institution: Universidade Federal de Sergipe
Program Affiliation: Pós-Graduação em Ciências da Saúde
Citation: BARROS, Natalie de Almeida. Efeitos do exercício físico em modelo experimental de lesão medular. 2022. 100f. Tese (doutorado em Ciências da Saúde) – Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, 2022.
URI: https://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/18529
Appears in Collections:Doutorado em Ciências da Saude

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Natalie_Barros.pdf2,17 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.