Please use this identifier to cite or link to this item: https://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/18537
Document Type: Tese
Title: Qualidade de vida de mães de crianças com história de hospitalização em unidade de terapia intensiva neonatal
Authors: Oliveira, Sheila Jaqueline Gomes dos Santos
Issue Date: 2022
Advisor: Filho, Paulo Ricardo Saquete Martins
Resumo : Introdução: Há evidências de que o ambiente da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) pode ter um impacto negativo no bem-estar psicológico materno, especialmente em ambientes de baixa e média renda. No entanto, a maioria dos estudos sobre estresse e qualidade de vida em mães de recém-nascidos que precisavam de cuidados médicos intensivos mediram os resultados centrados no paciente em apenas um ponto no tempo. Objetivo: Avaliar desfechos centrados em mães de crianças com história de hospitalização em UTIN de uma maternidade de risco habitual do estado de Sergipe. Método: Realizamos um estudo longitudinal com avaliação seriada em uma região com os piores indicadores socioeconômicos do Brasil. Foram incluídas mães que tiveram recém-nascidos internados na UTIN.O acompanhamento de seguimento das mães incluídas no estudo compreendeu em cinco momentos: na admissão e alta hospitalar do RN na UTIN, com 6 meses, 12 meses e 24 meses de vida da criança Nosso desfecho primário foi a qualidade de vida, medida pelo instrumento WHOQOL-BREF da Organização Mundial da Saúde. Os desfechos secundários incluíram níveis de ansiedade (Inventário de Ansiedade Estado-Traço de Spielberger) e sintomas depressivos (Inventário de Depressão de Beck). Resultados: Cinquenta e quatro mães foram incluídas. Durante as primeiras 48 horas após a admissão na UTIN, a mediana do escore de qualidade de vida foi de 62,5 (IQR 56,3-68,8), e níveis severos de ansiedade-estado foram observados em 61,1% das mães. Observou-se uma relação positiva entre níveis de ansiedade-estado (p = 0,003), sintomas depressivos (p < 0,001) e tempo de permanência na UTIN. Após 6 meses do nascimento, escores mais baixos de qualidade de vida foram observados entre as mães de recém-nascidos com asfixia neonatal e malformações congênitas. Uma melhora significativa no escore global de qualidade de vida das mães foi observada apenas 12 meses após o nascimento da criança, que permaneceu inalterada na avaliação de 24 meses. Conclusão: O presente estudo encontrou mudanças significativas nos escores de saúde mental e qualidade de vida maternas no momento da admissão dos recém- nascidos na UTIN. Apesar da melhora desses desfechos na alta, observamos uma influência do tempo de internação, nos níveis de ansiedade e sintomas depressivos nessa população. Além disso mudanças na qualidade de vida apodem estar associadas às condições clínicas das crianças ao longo do tempo.
Abstract: Introduction: There is evidence that the Neonatal Intensive Care Unit (NICU) environment can have a negative impact on maternal psychological well-being, especially in low- and middle-income settings. However, most studies on stress and quality of life in mothers of newborns requiring intensive medical care have measured patient-centered outcomes at only one point in time. Objective: To evaluate outcomes focused on mothers of children with a history of hospitalization in the NICU of a usual risk maternity hospital in the state of Sergipe. Method: We carried out a longitudinal study with serial evaluation in a region with the worst socioeconomic indicators in Brazil. Mothers who had newborns hospitalized in the NICU were included. primary outcome was quality of life, measured by the WHOQOL-BREF instrument of the World Health Organization. Secondary outcomes included levels of anxiety (Spielberger State-Trait Anxiety Inventory) and depressive symptoms (Beck Depression Inventory). Results: Fifty-four mothers were included. During the first 48 hours after admission to the NICU, the median quality of life score was 62.5 (IQR 56.3-68.8), and severe levels of state anxiety were observed in 61.1% of the patients. mothers. A positive relationship was observed between levels of state anxiety (p = 0.003), depressive symptoms (p < 0.001) and length of stay in the NICU. After 6 months of birth, lower quality of life scores were observed among mothers of newborns with neonatal asphyxia and congenital malformations. A significant improvement in the mothers' global quality of life score was observed only 12 months after the child's birth, which remained unchanged at the 24-month assessment. Conclusion: The present study found significant changes in maternal mental health and quality of life scores at the time of admission of newborns to the NICU. Despite the improvement in these outcomes at discharge, we observed an influence of length of hospital stay, levels of anxiety and depressive symptoms in this population. In addition, changes in quality of life may be associated with children's clinical conditions over time.
Keywords: Qualidade de vida
Ansiedade
Depressão
Cuidado intensivo neonatal
Saúde materna
Quality of life
Anxiety
Depression
Neonatal intensive care
Maternal health
Subject CNPQ: CIENCIAS DA SAUDE
Language: por
Institution: Universidade Federal de Sergipe
Program Affiliation: Pós-Graduação em Ciências da Saúde
Citation: OLIVEIRA, Sheila Jaqueline Gomes dos Santos. Qualidade de vida de mães de crianças com história de hospitalização em unidade de terapia intensiva neonatal. 2022. 121f. Tese (doutorado em Ciências da Saúde) – Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, 2022.
URI: https://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/18537
Appears in Collections:Doutorado em Ciências da Saude

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Sheila_Oliveira.pdf4,74 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.