Please use this identifier to cite or link to this item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/3957
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorSilvestre, Carina Carvalhopt_BR
dc.date.accessioned2017-09-26T12:21:44Z-
dc.date.available2017-09-26T12:21:44Z-
dc.date.issued2014-04-28-
dc.identifier.urihttps://ri.ufs.br/handle/riufs/3957-
dc.description.abstractBACKGROUND. The patient safety is a global concern. In this context, practices for the prevention and correction of drugs arise such as medication reconciliation. Thus, investigations on obtaining the history of use of pharmacotherapy on admission are required for such actions. OBJECTIVE. Investigate the history of medication use in patients admitted to a University Hospital (HU/UFS). METHODS. Step 1 corresponds to a systematic review which selected articles about medication reconciliation conducted by pharmacists at time of hospital admission. Step 2, corresponded to the assessment of discrepancies in the pharmacotherapy of patients admitted to the HU/UFS. RESULTS. The systematic review (step 1) evaluated 12 articles, which showed that medication reconciliation was a routine practice of hospital in three studies, in seven articles was informed that the pharmacist had clinical training and two studies reported having conducted a training for perform the reconciliation. About the evaluation of discrepancies (step 2), 358 patients were evaluated and 150 patients had one or more unintentional discrepancies in drug therapy during admission, 327 discrepancies were identified in total. CONCLUSION. A systematic review showed that most studies do not follow guidelines for medication reconciliation and that the discussion between pharmacists and physicians is the most widely used way to assess the clinical relevance of discrepancies. The cross-sectional article showed that discrepancies are prevalent in the hospital evaluated. Thus, actions that promote patient safety in hospital admission should be deployed.eng
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectFarmacologiapor
dc.subjectErros de medicaçãopor
dc.subjectPacientes - Cuidado e tratamentopor
dc.subjectMedicamentospor
dc.subjectHospitais universitáriospor
dc.subjectSegurança ao pacientepor
dc.subjectErros de medicaçãopor
dc.subjectDiscrepâncias na farmacoterapiapor
dc.subjectConciliação de medicamentospor
dc.subjectDrugseng
dc.subjectMedication errorseng
dc.subjectPatientseng
dc.subjectPharmacologyeng
dc.subjectUniversity hospitalseng
dc.titleNecessidade da conciliação de medicamentos : avaliação da história da farmacoterapia de pacientes admitidos em um hospital universitáriopor
dc.typeDissertaçãopor
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/1791505264817019por
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/6712643081284954por
dc.contributor.advisor1Lyra Júnior, Divaldo Pereira dept_BR
dc.description.resumoINTRODUÇÃO. A segurança ao paciente é uma preocupação mundial. Neste contexto surgem práticas voltadas para a prevenção e correção de erros de medicamentos, como a conciliação de medicamentos. Assim, investigações sobre a obtenção da história de uso da farmacoterapia na admissão são necessárias para tais ações. OBJETIVO. Investigar a história do uso de medicamentos em pacientes admitidos em um Hospital Universitário (HU/UFS). METODOLOGIA. A etapa 1 correspondeu a uma revisão sistemática a qual selecionou artigos sobre a conciliação de medicamentos conduzida por farmacêuticos na admissão hospitalar. A etapa 2 correspondeu à avaliação das discrepâncias na farmacoterapia dos pacientes admitidos no HU/UFS. RESULTADOS. A revisão sistemática (etapa 1) avaliou 12 artigos, os quais mostraram que a conciliação de medicamentos era uma prática da rotina hospitalar em três estudos, em sete investigações foi informado que o farmacêutico possuía formação clínica e em dois estudos relataram ter conduzido um treinamento para realizar a conciliação. Quanto a avaliação das discrepâncias encontradas (etapa 2), foram avaliados 358 pacientes e destes 150 pacientes apresentaram uma ou mais discrepâncias não intencionais na farmacoterapia durante a admissão, sendo identificadas 327 discrepâncias no total. CONCLUSÃO. A revisão sistemática mostrou que a maior parte dos estudos não segue guias durante a prática da conciliação e que a discussão entre farmacêuticos e médicos é a forma mais utilizada para avaliar a relevância clínica das discrepâncias. A avaliação das discrepâncias mostrou que essas são prevalentes no hospital. Assim, ações que promovam a segurança do paciente na admissão hospitalar devem ser implantadas.por
dc.publisher.programPós-Graduação em Ciências Farmacêuticaspor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::FARMACIApor
Appears in Collections:Mestrado em Ciências Farmacêuticas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
CARINA_CARVALHO_SILVESTRE.pdf750,6 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.