Please use this identifier to cite or link to this item: https://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/5498
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorLima, Eliany Dioniziopt_BR
dc.date.accessioned2017-09-26T18:54:07Z-
dc.date.available2017-09-26T18:54:07Z-
dc.date.issued2012-07-09-
dc.identifier.urihttps://ri.ufs.br/handle/riufs/5498-
dc.description.abstractThis dissertation has how aims to reflect on the mediation that the Free Fair establishes in the social and territorial division of labor in the construction of field-city relationship in the municipality of Feira de Santana/BA. The research is supported in the method of dialectical historical materialism that allowed analyzing the issue in the perspective that considers the relationship between thinking and acting, as a way of explaining reality. It starts from the assumption that the Free Fair in the capitalist mode of production was losing its status as a simple circulation of merchandise and was being entered in the total circuit of process of accumulation and reproduction of capital. Understanding the cycle of capital, how occurs the production, distribution, exchange (circulation) and consumption allowed reflect on the functionality of the Free Fair in the historical formations of the capitalist mode of production. Reflecting on the field-city relationship, allowed to identify the changes that were produced in space along the historical process, observing the forms, for whom and why is the appropriation of space and territory; where the city and field, although seemingly disparate spaces, is part of totality of the mediations production/labor/distribution/fair/exchange (circulation)/consumption of the capital circuit. By entering this dialectical logic concluded that the production of space in the city of Feira de Santana / BA had its growth in the space of exchange and consumption of subsistence merchandise, to the extent that it established new forms of restructuring in the capital accumulation the dialectical unity contradictory of the field and city was being placed on the new logic of expanded reproduction. The transformations show that the spaces have been produced to ensure the realization of the cycle of capital - and how it establishes the social and territorial division of labor is crucial to its production.eng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superiorpt_BR
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de Sergipepor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectRelação campo-cidadepor
dc.subjectDivisão do trabalhopor
dc.subjectProdução do espaçopor
dc.subjectFeira livrepor
dc.subjectField-city relationshipeng
dc.subjectDivision of laboreng
dc.subjectProduction of spaceeng
dc.subjectFree faireng
dc.titleA feira livre na mediação campo-cidadepor
dc.typeDissertaçãopor
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/6625927243891330por
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5086215847724681por
dc.contributor.advisor1Conceição, Alexandrina Luzpt_BR
dc.description.resumoEsta dissertação tem como objetivo refletir sobre a mediação que a Feira Livre estabelece na divisão social e territorial do trabalho e na constituição da relação campo-cidade no município de Feira de Santana/BA. A pesquisa se sustenta no método do materialismo histórico-dialético, que permitiu analisar a temática na perspectiva que considera a relação entre o pensar e o agir como forma de explicar a realidade. Parte-se do pressuposto de que a Feira Livre, no modo de produção capitalista, foi perdendo a sua condição de circulação simples de mercadoria, e foi sendo inscrita no circuito total do processo de acumulação e reprodução do capital. Entender o ciclo do capital, como se processa a produção, distribuição, troca (distribuição) e consumo permitiu refletir sobre a funcionalidade das feiras livres nas formações históricas do modo de produção capitalista. Refletir sobre a relação campo-cidade possibilitou identificar as alterações que foram produzidas no espaço ao longo do processo histórico, observando as formas, para quem e por que ocorre a apropriação do espaço e do território. Apesar de campo e cidade serem espaços aparentemente distintos, fazem parte da totalidade das mediações produção/trabalho/distribuição/feira/troca(circulação)/consumo do circuito integrado do capital. Adentrar por esta lógica dialética permitiu concluir que a produção do espaço do município de Feira de Santana/BA teve seu crescimento marcado no espaço da troca e consumo de mercadorias de subsistência, na medida em que se estabeleceram novas reestruturações nas formas de acumulação do capital. Assim, a unidade dialética contraditória do campo e cidade foi sendo inscrita na nova lógica de reprodução ampliada. As transformações observadas evidenciam que os espaços são produzidos para garantir a efetivação do ciclo do capital, e a forma como se estabelece a divisão social e territorial do trabalho é o determinante para sua produção.por
dc.publisher.programPós-Graduação em Geografiapor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::GEOGRAFIApor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.initialsUFSpor
Appears in Collections:Mestrado em Geografia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ELIANY_DIONIZIO_LIMA.pdf16,09 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.