Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/7308
Tipo de Documento: Monografia
Título: O caso de Nelson de Rubina : guerra e cotidiano em Aracaju (1942 - 1943)
Autor(es): Barros, Maria Luiza Pérola Dantas
Data do documento: 18-Dez-2015
Orientador: Maynard, Dilton Cândido Santos
Resumo: Esta monografia faz parte do projeto “Memórias da Segunda Guerra em Sergipe”, apoiado pela FAPITEC e pelo CNPq através do edital Pronem 2011, e se propõe a analisar o cotidiano de Aracaju no pós-torpedeamentos de 1942, mais especificamente a recepção dos aracajuanos àquele evento digno de um filme de terror. No período em questão, o Brasil vivenciava as imposições e o controle em todas as instâncias do Estado Novo (1937-1945), sob o comando de Getúlio Vargas. O mundo passava pelo seu pior conflito bélico já travado, a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), que até agosto de 1942, data dos torpedeamentos, só se fizera sentir no país de maneira indireta, principalmente pela economia. Com os torpedeamentos de embarcações brasileiras na costa entre os estados da Bahia e de Sergipe pelo submarino alemão U-507, os aracajuanos puderam sentir de perto os horrores daquela guerra. As notícias dos naufrágios demoraram a circular, e quando chegaram ao conhecimento da população local, esta se prestou a ir até as praias ondem davam os corpos dos náufragos para prestar auxílio, quer recolhendo corpos das vítimas e enterrando-os, quer buscando sobreviventes. Mas ajudar não era o objetivo de todos os que ali acorriam. É pela análise da Apelação Crime de 1943, instaurada para averiguar o caso de Nelson de Rubina, que sabemos que naquele contexto também existiam pessoas que buscavam tirar algum proveito próprio de toda aquela situação sem precedentes históricos.
Abstract: This monograph is part of the "Memories of World War II in Sergipe" supported by FAPITEC and CNPq through the announcement Pronem 2011 and aims to analyze the daily life of Aracaju in 1942 after torpedeamentos, specifically the receipt of Aracaju that event worthy of a horror movie. In the period, Brazil was experiencing the impositions and control in all new state institutions (1937-1945), under the command of Getulio Vargas. The world was at its worst armed conflict already locked, the Second World War (1939-1945), who until August 1942, date of torpedeamentos, only made itself felt in the country indirectly, mainly by economics. With torpedeamentos of Brazilian vessels on the coast between the states of Bahia and Sergipe by the German submarine U-507, the near Aracaju could feel the horrors of that war. The news of the shipwrecks were slow to move, and when they came to the attention of the local population, this has been paid to go to the house that pushes beaches gave the bodies of the castaways to provide aid or collecting victims' bodies and burying them or seeking survivors. But help was not the goal of those who flocked there. It is by analyzing the Appeal Crime 1943, established to investigate the case of Nelson Rubina, we know that in that context too there were people who sought to get something out of himself all that historically unprecedented situation.
Palavras-chave: Ensino de história
Violência em Aracaju
Senga guerra mundial
Nelson de Rubina
área CNPQ: OUTROS
Idioma: por
Sigla da Instituição: Universidade Federal de Sergipe
Departamento: DHI - Departamento de História – São Cristóvão - Presencial
Citação: BARROS, Maria Luiza Pérola Dantas. O Caso de Nelson de Rubina : guerra e cotidiano em Aracaju (1942 - 1943). São Cristóvão, SE, 2015. Monografia (Bacharelado em História) - Departamento de História, Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, 2015
URI: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/7308
Aparece nas coleções:História

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Maria_Luiza_Perola_Dantas_Barros.pdf4,01 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.