Please use this identifier to cite or link to this item: https://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/730
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorJabert, Alexander-
dc.date.accessioned2013-09-10T00:46:35Z-
dc.date.available2013-09-10T00:46:35Z-
dc.date.issued2001-
dc.identifier.citationJABERT, A. Da Nau dos Loucos ao Trem de Doido. 2001. 153 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública)-Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2001. Disponível em: <http://teses.icict.fiocruz.br/pdf/jabertam.pdf>. Acesso em: 9 set. 2013.pt_BR
dc.identifier.urihttps://ri.ufs.br/handle/riufs/730-
dc.description.abstractA presente proposta de estudo está inserida na problemática da constituição das instituições de administração da loucura e do louco na fase da Primeira República e às formas com que o poder público desenvolveu políticas de atenção ao louco, analisando especificamente o caso de uma unidade da Federação brasileira – o estado do Espírito Santo. O estudo tem como objetivo mostrar a complexidade da articulação entre loucura, sociedade, medicina e Estado. A preocupação recai, especialmente, sobre a discussão do processo que transformou a medicina em saber e prática hegemônica de justificação e validação da tutela do louco pelo poder público. Como o objetivo do trabalho era tentar delimitar as formas encontradas pelo poder público para solucionar o problema de administração da loucura, a pesquisa de fontes primárias se concentrou na análise de documentos oficiais do Espírito Santo e das instituições que foram utilizadas por este Estado para auxiliá-lo nesta tarefa. Recorreu-se principalmente aos acervos do Arquivo Público Estadual e da Biblioteca Nacional na busca por relatórios de Presidentes do Estado do período republicano, além de documentos dos secretários de governo, chefes de policia, procuradores de justiça, juizes, inspetores de higiene, provedores da Santa Casa de Misericórdia de Vitória, entre outros. _____________________________________________________________________________________________ ABSTRACT: This study proposal covers the problem of the establishment of institutions for administering insanity and madness during the country’s First Republic and the manner with which the government developed its policies of treating the insane, specifically analyzing the case of a unit of Brazil’s Federation – the State of Es pírito Santo. The study intends to show the complexity of articulation among madness, the society, medicine and the State. Concern occurs mainly regarding the discussion of the process that transformed medicine into knowledge and the hegemonic practice of justifying and legalizing the fact that the insane be under the tutelage of th e government. Since the study’s objective was to try and delimitate the ways found by the government to solve the problem of controlling madness, the primary sources of research were concentrated on the analysis of official documents of the State of Espírito Santo and of the institutions which were used by the State to assist it in this task. Research was made mainly in the State Public Records and the National Library, in a search for State Presidents’ reports from the republican period, as well as documents issued by secretaries of state, chiefs of police, attorney generals, judges, public health inspectors and superintendents of the Santa Casa de Misericórdia Hospital in Vitória, amongst others.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.subjectPsiquiatriapt_BR
dc.subjectHistória da psiquiatriapt_BR
dc.subjectLoucurapt_BR
dc.titleDa Nau dos Loucos ao Trem de Doidopt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.contributor.leaderHochman, Gilbertopt_BR
Appears in Collections:DPS - Departamento de Psicologia - Teses e Dissertações defendidas em outras instituições

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
NauLoucosSanatorio.pdf963,26 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.