Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/9219
Tipo de Documento: Monografia
Título: Conexão africana : fragmentos da vida do africano Caetano Ponciano dos Santos no pós-abolição em Sergipe
Autor(es): Vasconcelos, Flávio Santos
Data do documento: 16-Nov-2016
Orientador: Malaquias, Carlos de Oliveira
Resumo: O presente artigo busca revelar traços de um mundo pós-abolição no qual serão destacados os laços de solidariedade de um africano em terras sergipanas. Parte-se do estudo de caso de um africano liberto chamado Caetano Ponciano dos Santos que, falecendo no ano de 1896, na cidade de Laranjeiras, Sergipe, teve o inventário e testamento cuidados por um “patrício”. Para a construção da pesquisa, utilizamos dois documentos cartoriais, o inventário e o testamento deixado pelo africano Caetano Ponciano, ambos localizadas no Arquivo do Judiciário de Sergipe (AJES). Além destes, usamos os censos demográficos de 1872 e 1890. Nossa pesquisa mostra a importância dos laços de solidariedade entre os africanos libertos e revela um caso bem sucedido de ascensão social de um ex-escravo africano
Palavras-chave: História
Ensino de história
Africanos
Sergipe (SE)
Pós-abolição
Caetano Ponciano dos Santos
área CNPQ: OUTROS
Idioma: por
Sigla da Instituição: Universidade Federal de Sergipe
Departamento: DHI - Departamento de História – São Cristóvão - Presencial
Citação: Santos, Caetano Ponciano dos. Conexão africana: fragmentos da vida do africano Caetano Ponciano dos Santos no pós-abolição em Sergipe. São Cristóvão, SE, 2016. Monografia (Graduação em História) - Departamento de História, Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2016
URI: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/9219
Aparece nas coleções:História

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Flavio_Santos_Vasconcelos.pdf1,44 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.