Please use this identifier to cite or link to this item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/1026
Document Type: Artigo
Title: Nas práticas políticas de saúde, o exercício do controle do espaço
Other Titles: Health policies in practice, the exercise of control of space
Authors: Santos, Ana Rocha dos
Issue Date: 2010
Abstract: Este artigo apresenta uma reflexão sobre a política de descentralização da saúde (o SUS) em Sergipe a partir da análise dialética, na qual a categoria da totalidade foi buscada para explicar a política de descentralização como uma forma de expansão do acesso pela universalidade dos serviços de saúde, mas que representa, sobremodo, a apropriação privada desses serviços através de uma rede seletiva e precariamente hierarquizada. A pesquisa realizada permitiu compreender as contradições que envolvem uma política pública necessária, mas que tem viabilizado a expansão do setor privado por organizar, distribuir, localizar e selecionar o que, como e quem tem acesso aos serviços e ações de saúde. Os sujeitos sociais (agentes de saúde, gestores, usuários, médicos, conselheiros, funcionários da enfermagem) envolvidos no processo foram ouvidos, assim como foram necessárias análises das informações oferecidas pelos órgãos públicos com a finalidade de interpretar e confrontar as informações fornecidas para apreender o objeto de estudo na sua totalidade, percebendo as mediações e determinações que envolvem uma teia de relações entre o público e privado na medida em que o financiamento na saúde pública é reduzido e as tradicionais relações paternalistas têm promovido a mercantilização da doença e a permanência da saúde como moeda de troca. _______________________________________________________________________________________ ABSTRACT: This article focuses on the policy of decentralization of health (SUS) in Sergipe from the dialectical analysis, in which the category of totality was sought to explain the policy of decentralization as a way of expanding access by the universality of services health, but it represents, above all, the private ownership of these services through a selective and poorly hierarchical network. The research allowed to understand the contradictions involving a necessary public policy, but that has promoted the expansion of the private sector by organizing, distributing, locating and selecting the what, how and who has access to services and actions of health. Social subjects (health workers, managers, users, doctors, counselors, nursing staff) involved in the process were heard, as were necessary analysis of the information provided by public agencies in order to confront and interpret the information provided to grasp the object of study in its entirety, noting the determinations and mediations involving a web of relationships between public and private sectors to the extent that funding for public health is low and the traditional paternalistic relationships have promoted disease mongering and retention of health as currency.
Keywords: Descentralização
Sistema Único de Saúde (SUS)
Rede
ISSN: 0104-5490
Publisher / Institution : Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Pernambuco
Citation: SANTOS, A. R. Nas práticas políticas de saúde, o exercício do controle do espaço. Revista de Geografia, Recife, v. 27, n. 3, 2010. Disponível em: <http://www.revista.ufpe.br/revistageografia/index.php/revista/article/viewArticle/298>. Acesso em: 14 ago. 2014
License: Creative Commons Attribution 3.0 License
URI: https://ri.ufs.br/handle/riufs/1026
Appears in Collections:DGEI - Artigos de periódicos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
PráticasPolíticas.pdf247,53 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.