Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/10308
Tipo de Documento: Monografia
Título: Distopia em 1984 de Orwell : mecanismos sócio jurídicos de Controle Social
Autor(es): Sousa, Sáskias dos Passos
Data do documento: 13-Ago-2018
Orientador: Alves, Miriam Coutinho de Faria
Resumo: A aproximação de Direito e Arte diante da perspectiva crítica desta, permite um olhar para o direito além da sua racionalidade. A Literatura tem se mostrado de grande contribuição nesse estudo interdisciplinar do Direito, oferecendo novas perspectivas ao imaginário jurídico. Assim, o presente trabalho busca analisar as contribuições da obra distópica de George Orwell, 1984, para a direito contemporâneo. Assim, analisam-se aqui os mecanismos de controle social perpetrados pelo Grande Irmão em 1984, partindo da conceituação de controle social e da teoria sobre a atuação do poder na modernidade, tendo como viés a teoria do conflito. 1984 tornou-se um clássico das distopias modernas, haja vista seu poder de gerar um sentimento de inquietação no leitor que se vê dentro da Oceânia, sendo controlado pelo líder do Partido. Demonstra-se aqui que a leitura e interpretação de obras literárias, em especial as distopias, tem grande valia para o estudo do Direito, em razão também da grande proximidade entre esses dois campos do conhecimento. Ambos são narrativas sociais que se expressam através da língua e trazem à baila os contextos sociopolíticos nos quais foram produzidos. Além disso, a teoria literária tem muito a contribuir com o direito, principalmente à sua interpretação. A partir disso, buscando aportes nas teorias desenvolvidas por Michel Foucault sobre o funcionamento do poder e a sociedade disciplinar na Era Moderna, busca-se aqui investigar como poder e direito tornam-se distópicos e como é possível superar o controle implementado. Utiliza-se ainda as contribuições de Gilles Deleuze, que desenvolveu o conceito de sociedade de controle, e Zigmunt Bauman, que contribui com um olhar contemporâneo para a questão do panóptico inicialmente trabalhada por Foucault e Bentham, trazendo conceitos atuais dos mecanismos de vigilância modernos, como o sinóptico. Ao final, é trazida a hipótese de que uma forma de romper com esse controle é a formação da identidade cultural a partir da proteção da cultura, principalmente dos monumentos históricos e lugares de memória, como um meio de instigar os indivíduos a questionar sobre quem são e para onde vão contribuindo para o contexto social presente
Abstract: The approximation of Law and Art through the critical perspective of this, allows a look at the law beyond its rationality. Literature has shown great contribution in this interdisciplinary study of Law, offering new perspectives to the legal imaginary. Thus, the present work aims to analyze the contributions of the dystopian work of George Orwell, 1984, to contemporary law. Thereore, it is analyzed here the mechanisms of social control perpetrated by the Big Brother in 1984, starting from the conception of social control and the theory about the performance of power in modernity, taking as a bias the theory of conflict. 1984 has become a classic of modern dystopias, given its power to generate a sense of uneasiness in the reader within Oceania, being controlled by the Party leader. It is demonstrated here that reading and interpreting literary works, especially dystopias, has great value for the study of law, also because of the close proximity between these two fields of knowledge. Both are social narratives that express themselves through language and bring to light the sociopolitical contexts in which they were produced. Moreover, literary theory has much to contribute to law, especially to its interpretation. From this, seeking contributions in the theories developed by Michel Foucault on the functioning of power and the disciplinary society in the Modern Era, we seek here to investigate how power and law become dystopic and how it is possible to overcome the implemented control. The contributions of Gilles Deleuze, who developed the concept of a control society, and Zigmunt Bauman, contribute with a contemporary look at the panopticon issue initially worked out by Foucault and Bentham, bringing current concepts of modern surveillance mechanisms, as the synopticon. In the end, it is hypothesized that one way of breaking with this control is the formation of cultural identity from the protection of culture, especially from historical monuments and places of memory, as a means of instigating individuals to question who they are and where they contribute to the present social context
Palavras-chave: Direito
Ensino de direito
Controle social
Identidade cultural
Disciplina
Dystopia
Social control
Panopticon
Identity
Culture
área CNPQ: CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::DIREITO::TEORIA DO DIREITO::SOCIOLOGIA JURIDICA
Idioma: por
Sigla da Instituição: Universidade Federal de Sergipe
Departamento: DDI - Departamento de Direito – São Cristóvão – Presencial
Citação: Sousa, Sáskias dos Passos. Distopia em 1984 de Orwell : mecanismos sócio jurídicos de Controle Social. São Cristóvão, SE, 2018. Monografia (bacharelado em Direito) – Departamento de Direito, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2018
URI: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/10308
Aparece nas coleções:Direito

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Saskia_Passos_Sousa.pdf510,73 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.