Please use this identifier to cite or link to this item: https://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/16007
Document Type: Monografia
Title: Aplicação de corantes alternativos em laminário histológico vegetal
Authors: Moura, Celine Silva
Issue Date: 3-Feb-2022
Advisor: Lisi, Claudio Sergio
Resumo : O uso de corantes foi iniciado no século XVII, com a descoberta do cientista Antony van Leeuwenhoek no ano de 1673. Os corantes naturais foram utilizados por longos anos, até que no ano de 1856, o químico inglês William Henry Perkin, criou o primeiro corante orgânico sintético chamado Malveína. Desde então, iniciou-se uma revolução no mundo dos colorantes; os naturais foram progressivamente substituídos pelos sintéticos, principalmente nas indústrias. Corantes são compostos químicos provenientes de processo sintético ou de origem natural, que se aderem em escala molecular a um substrato. Os corantes são muito utilizados para tingir tecidos a séculos, e o corante em pó é uma das opções acessíveis e de baixo custo que existe no mercado. Assim, este trabalho teve como objetivo montar um laminário histológico vegetal utilizando corantes têxtis de baixo custo para pigmentação dos tecidos, a fim de expandir o material anatômico vegetal no acervo do laboratório de anatomia vegetal (LAVD) para ser utilizado de modo didático. A coleta dos materiais botânicos para esse estudo foi realizada no município de São Cristóvão em dois pontos: na Universidade Federal de Sergipe, campus Prof. José Aloísio de Campos; e margens do rio Poxim, próximo a UFS. Tanto o material fresco quanto o fixado em álcool 70% foram manuseados para obtenção dos cortes histológicos, seguindo a técnica de corte a mão livre. Para coloração das amostras foram utilizados corantes em pó das marcas Tupy e Guarany, que foram diluídos em solução hidro alcóolica 50% e em sequência filtrados. Para pigmentar os tecidos vegetais os cortes histológicos foram imersos no corante em placa de Petri fechada, em um tempo médio de 40-60min, em seguida os cortes foram lavados e colocados no fixador por 1min. E por fim as lâminas foram montadas com gelatina glicerinada produzida com os seguintes produtos: gelatina incolor, glicerina, 5 botões florais de cravos da índia para substituir o fenol. Como resultado foi possível comprovar que o corante em pó tem capacidade para pigmentar os tecidos vegetais e realçar a visualização das imagens, facilitando a observação dos tecidos. Sendo assim foi possível a criação de um laminário histológico com 24 lâminas apresentando diversas partes da planta como: folha, caule e raiz.
Abstract: The use of dyes began in the 17th century, with the discovery of the scientist Antony van Leeuwenhoek in 1673. Natural dyes were used for many years, until in 1856, the English chemist William Henry Perkin, created the first dye. synthetic organic called Malvein. Since then, a revolution in the world of colorants began; natural ones were progressively replaced by synthetic ones, mainly in industries. Dyes are chemical compounds from a synthetic process or of natural origin, which adhere on a molecular scale to a substrate. Dyes have been used to dye fabrics for centuries, and powder dye is one of the affordable and low-cost options on the market. Thus, this work aimed to assemble a plant histological slide using low-cost textile dyes for tissue pigmentation, in order to expand the plant anatomical material in the plant anatomy laboratory (LAVD) collection to be used in a didactic way. The collection of botanical materials for this study was carried out in the municipality of São Cristóvão at two points: at the Federal University of Sergipe, Prof. José Aloísio de Campos; and banks of the Poxim River, close to UFS. Both the fresh material and the material fixed in 70% alcohol were handled to obtain the histological sections, following the freehand sectioning technique. To stain the samples, powder dyes from the brands Tupy and Guarany were used, which were diluted in a 50% hydroalcoholic solution and subsequently filtered. To stain the plant tissues, the histological sections were immersed in the dye in a closed petri dish, in an average time of 40-60min, then the sections were washed and placed in the fixative for 1min. Finally, the slides were mounted with glycerin gelatin produced with the following products: colorless gelatin, glycerin, 5 clove flower buds to replace phenol. As a result, it was possible to prove that the powder dye has the ability to pigment the plant tissues and enhance the visualization of the images, facilitating the observation of the tissues. Thus, it was possible to create a histological slide with 24 slides showing different parts of the plant such as: leaf, stem and root.
Keywords: Biologia
Ensino de biologia
Anatomia vegetal
Corantes
Tecido vegetal
Plant anatomy
Coloring
Plant tissue
Subject CNPQ: CIENCIAS BIOLOGICAS::BOTANICA::MORFOLOGIA VEGETAL::ANATOMIA VEGETAL
Language: por
Institution: Universidade Federal de Sergipe
Department: DBI - Departamento de Biologia – São Cristóvão – Presencial
Citation: Moura, Celine Silva. Aplicação de corantes alternativos em laminário histológico vegetal. São Cristóvão, 2021. Monografia (Graduação em Ciências Biológicas) – Departamento de Biologia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, 2021
URI: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/16007
Appears in Collections:Biologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Celine_Silva_Moura.pdf1,85 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.