Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/3559
Tipo de Documento: Tese
Título: Densidade mineral óssea e calcificação da aorta abdominal em idosos com deficiência do hormônio do crescimento
Título(s) alternativo(s): Bone mineral density and abdominal aorta calcification in elderly patients with growth hormone deficiency
Autor(es): Souza, Anita Hermínia Oliveira
Data do documento: 14-Fev-2014
Orientador: Oliveira, Manuel Hermínio de Aguiar
Resumo: O eixo do hormônio de crescimento (GH)/fator de crescimento semelhante à insulina tipo 1(IGF-I) tem papel essencial na regulação do metabolismo ósseo e vascular. O decréscimo da secreção de GH relacionado com o aumento da idade ('somatopausa') pode contribuir para a osteoporose e aterosclerose, normalmente observada nos idosos. A deficiência de GH de início na idade adulta (DGHA) tem sido associada com a redução da densidade mineral óssea (DMO), com o aumento do risco de fraturas, e aterosclerose prematura. Em Itabaianinha, Sergipe, no nordeste brasileiro, inúmeras pesquisas estão sendo desenvolvidas sobre as conseqüências vitalícias do déficit de GH. Os indivíduos adultos jovens com a deficiência isolada de GH (DIGH), por mutação homozigótica c.57 +1 G>A no gene do receptor do hormônio liberador do GH (GHRHR), apresentam densidade mineral óssea volumétrica (DMOv) normal, e ausência de aterosclerose prematura, apesar do perfil de risco cardiovascular adverso. Entretanto, o impacto da DIGH ao longo da vida sobre ossos e vasos sanguíneos no processo de envelhecimento é desconhecido. Foi utilizado um modelo de casocontrole, com um grupo de 10 idosos com DIGH (≥ 60 anos), homozigóticos para a mutação c.57 +1 G>A no GHRHR, comparando-os com 20 controles pareados por gênero e idade. Foram medidas a DMO areal, a DMOv da coluna torácica, lombar e quadril total, pela absorciometria de raios X de dupla energia (DXA). As fraturas vertebrais foram analisadas pela morfometria vertebral (Vertebral Fracture Assessement-VFA), com marcação de seis pontos do corpo vertebral e classificadas em graus de severidade. A calcificação da aorta abdominal(CAA) foi expressa em escore de cálcio, indicando o fator de risco cardiovascular. A DMO areal foi menor na DIGH (p<0,0001), mas a DMOv foi similar nos dois grupos (p=0,350). O percentual de indivíduos fraturados foi similar, o número de fraturas por indivíduos foi menor na DIGH do que no grupo controle (p=0,018), e o escore de cálcio foi igual nos dois grupos (p=0,373). Foi observada uma correlação positiva entre o escore de cálcio e o número de fraturas (r=-0,421, p=0,021). Na DIGH genética, não tratada e vitalícia, o déficit de GH, no processo do envelhecimento, não apresenta efeito deletério sobre a DMO e a CAA; sugerindo ser o envelhecimento, nos indivíduos com DIGH, mais saudável que nos controles, pelo menos nos aspectos ósseo e vascular.
Abstract: The GH/IGF-I axis (growth hormone/growth factor similar to insulin 1) has essential role in regulation of bone and vascular status. The age-related decrease in GH secretion ( somatopause ) may contribute to osteoporosis and atherosclerosis, commonly observed in the elderly. Adult-onset GH deficiency (GHDA) has been reported to be associated with reduced bone mineral density (BMD), increased risk of fractures, and premature atherosclerosis. In Itabaianinha, Sergipe, northeastern Brazil, several researches are being developed on the lifetime consequences of GH deficit. Young adults individuals with isolated GHD (IGHD) due to a homozygous mutation in the c.57 +1 G> A GHRHR receptor gene have normal volumetric bone mineral density (vBMD), and do not develop premature atherosclerosis, despite adverse risk factor profile. However, the bone and vacular impact of lifetime IGHD on the aging remains unknown. A case-control study with ten elderly patients with IGHD (≥ 60 years), homozygous for the mutation c.57 +1 G> A in GHRHR, and 20 age and gender matched controls (CO). Areal BMD, vBMD, total thoracic, lumbar spine and hip were measured by dual X-ray absorptiometry (DXA). Vertebral fractures were analyzed by vertebral morphometry (Vertebral Fracture Assessement-VFA) using six points of vertebral body and classified in degrees of severity. Abdominal aorta calcification (AAC) was expressed by calcium score, indicating the cardiovascular risk factor. Areal BMD was lower in IGHD (p<0.0001) but vBMD was similar in both groups (p=0.350). Fractured individuals percentual was similar, but the mean number of fractures per individual was lower in IGHD than CO (p=0.018). Calcium score was similar in both groups (p=0.373). A positive correlation was found between calcium score and number of fractures (r=-0.421, p=0.021). Untreated lifetime IGHD has no deleterious effect on BMD and AAC, suggering that aging of IGHD individuals looks is healthier than controls, at least in bone and vascular aspects.
Palavras-chave: Nanismo hipofisário
Somatotropina
Aterosclerose
Osteoporose
Envelhecimento - Aspectos endócrinos
Densitometria óssea
Endocrinologia
Hormônio do crescimento
Densitometria
Growth hormone
Aging
Osteoporosis
Densitometry
Atherosclerosis
área CNPQ: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE
Idioma: por
País: BR
Instituição/Editora: Universidade Federal de Sergipe
Sigla da Instituição: UFS
Programa de Pós-graduação: Pós-Graduação em Ciências da Saúde
Citação: SOUZA, Anita Hermínia Oliveira. Bone mineral density and abdominal aorta calcification in elderly patients with growth hormone deficiency. 2014. 95 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, 2014.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://ri.ufs.br/handle/riufs/3559
Aparece nas coleções:Doutorado em Ciências da Saude

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ANITA_HERMINIA_OLIVEIRA_SOUZA.pdf4,66 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.