Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/3875
Tipo de Documento: Dissertação
Título: Eventos adversos pós-vacinais em crianças até seis meses de vida
Autor(es): Araújo, Raquel Melo
Data do documento: 20-Mar-2015
Orientador: Gurgel, Ricardo Queiroz
Resumo: INTRODUÇÃO: Imunizar crianças desde o início da vida é uma ação de proteção específica contra doenças infecciosas, que contribui para melhoria das condições de saúde de uma comunidade. São muitas as vacinas que as crianças recebem no primeiro ano de vida para prevenção de diversas doenças, sendo a maioria delas injetável. Com o intuito de diminuir o número de injeções em um mesmo momento, foram desenvolvidas as vacinas combinadas numa única apresentação. As mais recentes vacinas introduzidas no calendário de vacinação infantil foram a pentavalente (DTP+Hib+HB) e vacina inativada poliomielite (VIP/Salk). Apesar do alto padrão de segurança, as vacinas não estão totalmente livres de produzir eventos adversos, porém os riscos de complicações graves são muito menores do que os produzidos pelas doenças contra as quais protegem. OBJETIVO: Descrever a situação vacinal de crianças de 2 a 6 meses de vida quanto aos eventos adversos pós-vacinais. METODOLOGIA: Estudo descritivo de coorte prospectivo, com abordagem quantitativa realizado na cidade de Aracaju com 222 crianças a partir de 2 meses de vida contempladas com as vacinas do calendário básico infantil. Foram aplicados 2 formulários, um socioeconômico-demográfico e outro de investigação de eventos adversos, no momento da vacinação na Unidade de Saúde da Família. Acompanhou-se estas crianças, mês a mês, até que completassem o esquema de vacinação aos 6 meses de vida. A investigação quanto aos eventos adversos pós-vacinais foi realizada através de contato telefônico com seus responsáveis, em até 72 horas após a aplicação da vacina. Para análise utilizou-se o programa programa SPSS Statistics. Os resultados foram analisados por meio de frequências simples, percentuais, média e desvio padrão. As associações avaliadas por meio de teste Qui-Quadrado de Pearson ou Exato de Fisher para variáveis categóricas ou Teste de Mann-Whitney para variáveis contínuas. RESULTADOS: Foram avaliadas 222 crianças, as quais receberam no total 1029 doses de vacinas. A maioria das crianças nasceu na cidade de Aracaju (95%), apresentou peso ≥ 2500g ao nascer (91%); iniciou o esquema vacinal na USF aos 2 meses (93%). Em relação aos antecedentes obstétricos, a maioria realizou o pré-natal (53%); o tipo de parto foi normal (68%) e gestação a termo (88%). O atraso no esquema vacinal esteve presente em 50% (110). A prevalência de evento adverso foi de 65%. Febre 73% (480), dor local 363 (55%), irritabilidade 348 (53%) e choro persistente (59%), apresentam-se como os eventos adversos mais frequentes em crianças vacinadas com a pentavalente, comparados às outras vacinas. CONCLUSÃO: Metade das crianças apresentam atraso no esquema vacinal, ou até mesmo esquema incompleto. A prevalência de 65% de evento adverso pós-vacinal mostrou-se alta. Os eventos adversos mais frequentes em crianças vacinadas pela pentavalente, em nossa pesquisa, foram: febre, dor local, irritabilidade e choro insistente, além das reações locais. Estes eventos já são conhecidos e assemelham-se aos já provocados pela vacina tetravalente.
Abstract: INTRODUCTION: Immunizing children from early life is an action of specific protection against infectious diseases, which contributes to improving the health status of a community. There are many vaccines that children receive in the first year of life for the prevention of various diseases, most of which are injectable. In order to reduce the number of injections at the same moment, were developed vaccines combined into a single presentation. The newer vaccines introduced in the childhood vaccination schedule were the pentavalent (DTP + Hib + HB) and polio inactivated vaccine (VIP/Salk). Despite the high standard of safety, vaccines are not entirely free to produce adverse effects, but the risk of serious complications are much smaller than those produced by the diseases against which they protect. OBJECTIVE: To describe the vaccination status of children 2-6 months of life as the vaccine adverse events and their associations. METHODS: A descriptive study of prospective cohort with a quantitative approach in the city of Aracaju, in two public hospitals, with 222 children 6 months of life covered with vaccines the child basic calendar. Two written forms were used, a socioeconomicdemographic and other research of adverse events, applied to the child´s caregiver at the time the child attended the vaccination room to start their vaccination schedule. These children were followed up monthly, until they reached the vaccination course at 6 months of life. The research about the vaccine adverse events was conducted through telephone contact with their guardians within 72 hours after vaccination. For analysis, was used the SPSS Statistics program. The results were analyzed using single frequency, percentage, mean and standard deviation. The associations were evaluated using chi-square test of Pearson or Fisher´s exact test for categorical variables and Mann-Whitney test for continuous variables. RESULTS: A total of 222 children who received a total of 1029 doses of vaccine were assessed. Most of the children were born in the city of Aracaju (95%), presented weight ≥ 2500g at birth (91%); started the vaccination program at USF at 2 months of life (93%). According to the obstetrical history, most realized the prenatal care (53%); the type of childbirth was normal (68%) and full-term pregnancies (88%). The delay in the vaccination schedule was present in 50% (110). The prevalence of adverse event was 65%. Fever 73% (480), 363 local pain (55%), irritability 348 (53%) and persistent crying (59%), are presented as the most frequent adverse events in children vaccinated with pentavalent.CONCLUSION: Half of children presenting delayed vaccination schedule, or even incomplete scheme. Prevalence of 65% post-vaccination adverse events was high. The most common adverse events in children vaccinated by the pentavalent, in our research were: fever, local pain, irritability and insistent cry, besides of local reactions. These events are known and are similar to those already caused by the tetravalent vaccine.
Palavras-chave: Vacinação infantil
Atraso vacinal
Efeitos adversos
Pentavalente
Vaccine
Childhood vaccination
Post-vaccination adverse events
Delayed immunization
Pentavalent vaccine
área CNPQ: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE
Agência de fomento: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Idioma: por
País: BR
Instituição/Editora: Universidade Federal de Sergipe
Sigla da Instituição: UFS
Programa de Pós-graduação: Pós-Graduação em Ciências da Saúde
Citação: ARAÚJO, Raquel Melo. Eventos adversos pós-vacinais em crianças até seis meses de vida. 2015. 58 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2015.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://ri.ufs.br/handle/riufs/3875
Aparece nas coleções:Mestrado em Ciências da Saúde

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
RAQUEL_MELO_ARAUJO.pdf1,19 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.