Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/4609
Tipo de Documento: Tese
Título: Representações docentes sobre os castigos escolares
Autor(es): Souza, Milena Cristina Aragão Ribeiro de
Data do documento: 4-Mai-2015
Orientador: Freitas, Anamaria Gonçalves Bueno de
Resumo: A presente Tese de Doutorado teve como objeto os castigos escolares e como objetivo, propôs-se investigar a construção de práticas e representações de dez professoras das primeiras séries do ensino fundamental, graduadas em pedagogia entre as décadas de 1970 a 2014, sobre os castigos utilizados em sala de aula. O caminho metodológico utilizado pautouse na História Oral Temática, apoiado nas obras de Alberti (2003); Ferreira e Amado (2006); e Portelli (2006). O tratamento das entrevistas foi realizado através da análise textual discursiva de Roque Moraes (2007). Esta pesquisa está centrada teoricamente em Pierre Bourdieu, em especial nos conceitos de habitus e campo; bem como em Roger Chartier, com os conceitos de práticas, representações e apropriação; além de outros autores capazes de transitar por entre as tramas das relações e tensões socioculturais; das práticas e representações de sujeitos ordinários, interrogando a pluralidade do cotidiano, os modos de pensar, dizer e fazer dos sujeitos que compõe a escola. Diante da trajetória apontada, trago à tona a Tese que defendo em relação aos castigos escolares: a incorporação dos castigos na prática profissional docente se entrelaça com a história de vida, em especial com os saberes aprendidos na infância (por meio da família e da escola), sendo naturalizados nas ações e tendo pouca relação com os cursos de formação, o que faz com que sua escolha não seja com base nos conhecimentos e saberes da pedagogia. Como resultado, foi observado que as docentes investigadas dizem utilizar diferentes tipos de castigos em sala de aula, com ênfase nos castigos morais, porém relataram o uso de castigos físicos em sua história de vida escolar, bem como na prática de suas colegas de trabalho. Para elas, o castigo tem a função de disciplinar no sentido kantiano, ou seja, formar bons cidadãos para vida em sociedade. Afirmaram, ainda, acreditar que a escolha dos castigos a serem utilizados em classe está relacionado às vivências familiares e escolares e não à aprendizagens formais. O Estatuto da Criança e do Adolescente foi mencionado como uma importante lei, porém, foi vista de maneira ambígua, isto é, se por um lado contribuiu positivamente por provocar a diminuição dos castigos corporais, também prejudicou a ação docente, na medida em que retirou a autoridade do professor . A Tese foi finalizada sugerindo possibilidades de ação na perspectiva da formação continuada, a fim de lidar com os castigos a partir de um prisma pedagógico. Saliento que investigar a construção das práticas e representações docentes sobre os castigos escolares, culmina num processo de desnaturalização de uma ação corriqueira no universo educacional, permitindo pensar em possibilidades de ação frente a esta temática; bem como estimula a refletir sobre a importância de se manter um olhar para a docência no que concerne a sua dimensão social, cultural, histórica e subjetiva, uma vez que são eles que atuam na mediação e na construção do processo ensino-aprendizagem.
Abstract: This Doctoral Thesis was to object school punishment and the objective, set out to investigate the construction of practices and representations ten teachers of the first grades of elementary school, graduated in pedagogy between the decades from 1970 to 2014, about the punishments used in the classroom. The methodological approach used was based on the thematic oral history, supported the works of Alberti (2003); Ferreira and Beloved (2006); and Portelli (2006). The treatment of the interviews was conducted by discursive textual analysis of Roque Moraes (2007). This research is theoretically centered on Pierre Bourdieu, especially the concepts of habitus and field; as well as Roger Chartier, with the concepts of practices, representations and ownership; and other authors able to move through the frames of relationships and socio-cultural tensions; practices and representations of ordinary subjects, interrogating the plurality of daily life, ways of thinking, saying and doing of the subjects that make up the school. Before the appointed path, bring forth the thesis that I advocate in relation to school punishment: the incorporation of punishment in professional teaching practice is intertwined with the history of life, especially with the knowledge learned in childhood (through family and school ) and is naturalized in the actions and having little to do with the training courses, which makes your choice is not based on knowledge and pedagogy knowledge. As a result, it was observed that the teachers surveyed say they use different types of punishment in the classroom, emphasizing the moral punishment, but reported the use of physical punishment in their history of school life as well as in the practice of their colleagues. For them, the punishment has the disciplinary function in the Kantian sense, ie make good citizens for life in society. Said, still believe that the choice of punishments to be used in class is related to the family and school experiences and not to formal learning. The Status of Children and Adolescents was mentioned as an important law, however, was seen in an ambiguous manner, that is, on the one hand positively contributed to cause the decrease in corporal punishment, also damaged the teaching action, in that " removed the authority of the teacher. " The thesis was completed suggesting possibilities of action in view of continuing education in order to deal with the punishment from a pedagogical perspective. I note that investigate the construction of teacher practices and representations on school punishments, culminating in a denaturalization process of a trivial action in the educational universe, allowing thinking ahead possibilities of action to this subject; and stimulates reflection on the importance of maintaining a look at teaching in regard to its social, cultural, historical and subjective, since they are working in mediation and construction of the teaching-learning process.
Palavras-chave: Educação - História
Disciplina da criança
Prática de ensino
Percepção
Cultura
Professores
Representações sociais
Castigos escolares
Habitus
História da educação
Representações docentes
School punishment
Habitus
History of education
Teacher representations
área CNPQ: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO
Idioma: por
País: BR
Instituição/Editora: Universidade Federal de Sergipe
Sigla da Instituição: UFS
Programa de Pós-graduação: Pós-Graduação em Educação
Citação: SOUZA, Milena Cristina Aragão Ribeiro de. Representações docentes sobre os castigos escolares. 2015. 226 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2015.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://ri.ufs.br/handle/riufs/4609
Aparece nas coleções:Doutorado em Educação

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
MILENA_CRISTINA_ARAGAO_RIBEIRO_SOUZA.pdf1,1 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.