Please use this identifier to cite or link to this item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/4978
Document Type: Dissertação
Title: Atividade física, autoavaliação negativa de saúde e condutas de risco em adolescentes
Authors: Martins, Alessandra de Sousa
Issue Date: 28-Apr-2017
Advisor: Menezes, Aldemir Smith
Resumo : Introdução: Durante a adolescência o indivíduo adquire comportamentos que podem influenciar sua saúde, como, por exemplo, a prática de atividade física, e algumas condutas de risco e autoavaliação da Saúde. Objetivo: verificar a associação entre atividade física e autoavaliação negativa da saúde, com condutas de risco à saúde em adolescentes. Métodos: Trata-se de uma pesquisa epidemiológica, de base escolar, com delineamento transversal. Realizada com estudantes, do Ensino Médio, da Rede Pública Estadual de Sergipe, com idade entre 14 e 19 anos. Foi aplicado um questionário autoadministrado. Para fins de análise, as alternativas foram categorizadas de forma dicotômica: a) Autoavaliação de saúde positiva (muito boa/ boa) e Autoavaliação de saúde negativa (regular/ruim); b) Você diria que: sou fisicamente ativo há > 6 meses; sou fisicamente ativo há < 6 meses; Não sou fisicamente ativo; Não sou, e não pretendo me tornar nos próximos 6 meses. A variável foi categorizada em: a) Ativo (0 a 6 meses ou mais); b) Não Ativo (Não sou, Não sou e não pretendo me tornar ativo nos próximos 6 meses). As variáveis de análise foram: Autoavaliação Negativa de Saúde (ANS) e Não ativo. As variáveis independentes, consideradas para o estudo, foram organizadas em dois domínios: a) Domínio Sociodemográfico (idade, sexo, cor da pele, território, ano de estudo do adolescente, escolaridade materna, renda familiar); b) Domínio Comportamental (uso de drogas, álcool, tabaco e hábito Alimentar: consumo de frutas, verdura, suco de frutas e refrigerante). Na análise da associação foi empregado o teste de Qui-quadrado, e na análise multivariável foi usada a regressão logística binária. Resultado: A prevalência da autoavaliação negativa de saúde foi maior entre adolescentes do sexo feminino (61,3%). A conduta de risco associou-se à adolescentes inativos (OR=0,63; IC95%0,55-0,73), hábito alimentar inadequado, consumo de fruta (OR= 0,67; IC95%0,53-0,85), consumo de verduras (OR= 0,66; IC95%0,51-0,86), consumo de frutas (OR=0,63; IC95%0,50-0,79), uso de tabaco (OR=0,92 IC95%0,80-1,07). A prevalência de adolescentes inativos foi de 44,7% que se associou a autoavaliação negativa de saúde (OR=0,63; IC95% 0,55-0,72), a hábito alimentar inadequado, consumo de suco de frutas (OR=1,42; IC95%1,14-1,76), consumo de frutas (OR=1,37; IC95%1,12-1,69). Conclusões: As evidências geradas pela pesquisa constitui um importante instrumento para subsidiar informações e monitorar a saúde dos escolares sergipanos dando sustentabilidade a implantação de programas voltados para a saúde de escolares, como o Programa Saúde na Escola.
Abstract: Introduction: During the adolescence the individual acquires behaviors that can influence his health, such as the practice of Physical Activity and some conducts of risk associated with negative health self-assessment. Objective: to verify the association between physical activity and negative health self-assessment with risk behaviors Health in adolescents. Methods: This is an epidemiological schoolbased survey with a cross-sectional design. Fulfilled with students of the State Public High School of Sergipe aged between 14 and 19 years. A self-administered questionnaire was applied. The variables of analysis were: Negative Health Self- Assessment (ANS) and Non-active. The independent variables considered for the study were organized in two domains: a) Sociodemographic domain (age, sex, skin color, territory, year of study of the adolescent, maternal schooling, family income); B. Behavioral Domain (use of drugs, alcohol, tobacco and food habit: consumption of fruits, vegetables, fruit juice and soft drinks). In the analysis of the association was used the Chi-square test and in the multivariable analysis was used to binary logistic regression. Results: The prevalence of negative health selfassessment was higher among female adolescents (61.3%). Risk behavior was associated with inactive adolescents (OR=1,57; IC95% 1,37-1,80), inadequate eating habits, fruit intake (OR= 1,49; IC95% 1,28-1,74), vegetable consumption (OR= 1,27; IC95% 1,05-1,54), fruit consumption (OR=1,28; IC95% 1,10-1,49), tobacco use (OR=1,37 IC95% 1,14-1,64). The prevalence of inactive adolescents was 44.7%, which was associated with negative health self-assessment (OR=1,57; IC95% 1,37-1,80), to inadequate eating habits, fruit juice consumption (OR=1,42; IC95%1,14-1,76), fruit consumption (OR=1,37; IC95%1,12-1,69). Conclusions: The evidence criated by the research constitutes an important tool to subsidize information and monitor the health of Sergipe schoolchildren, giving sustainability to the implantation of programs directed to the health of schoolchildren, such as the Health in School Program.
Keywords: Educação física
Exercícios físicos (adolescentes)
Autoavaliação (saúde)
Adolescentes
Autoavaliação de saúde
Conduta de risco
Health self-assessment
Adolescents
Risk conduct
Subject CNPQ: CIENCIAS DA SAUDE::EDUCACAO FISICA
Sponsorship: Fundação de Apoio a Pesquisa e à Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe - FAPITEC/SE
Language: por
Country: Brasil
Publisher / Institution : Universidade Federal de Sergipe
Institution: UFS
Program Affiliation: Pós-Graduação em Educação Física
Citation: MARTINS, Alessandra de Sousa. Atividade física, autoavaliação negativa de saúde e condutas de risco em adolescentes. 2017. 69 f. Dissertação (Pós-Graduação em Educação Física) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2017.
Rights: Acesso Aberto
URI: https://ri.ufs.br/handle/riufs/4978
Appears in Collections:Mestrado em Educação Física

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ALESSANDRA_SOUSA_MARTINS.pdf1,03 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.