Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/5104
Tipo de Documento: Dissertação
Título: Os desafios dos professores de química na perspectiva da educação inclusiva : entraves ante (des)preparo pedagógico
Autor(es): Menezes, Uilde de Santana
Data do documento: 24-Mar-2017
Orientador: Silva, Adjane da Costa Tourinho e
Resumo: A presença de alunos com deficiência nas salas de aula do ensino regular torna-se a cada dia uma realidade mais marcante, sendo tal condição inerente a uma sociedade que se pretende mais igualitária e democrática. A educação tem trilhado caminhos para a inclusão de alunos com algum tipo de deficiência nas escolas, de modo a não os segregar dos demais e prepará-los para sua atuação em sociedade, partindo de uma legislação que busca assegurar a Educação Inclusiva nas instituições escolares públicas e privadas. Parte-se do pressuposto de que o conhecimento científico tem papel importante na construção da autonomia das pessoas e que, desta forma, a qualquer momento o professor pode se deparar com aluno com deficiência em sala de aula. Diante dessa situação, as discussões apresentadas nessa dissertação originam-se de uma pesquisa que teve por objetivo analisar as concepções de um grupo de professores de Química da Educação Básica acerca dos desafios enfrentados e das estratégias didáticas utilizadas para atender os alunos com deficiência. Através de um estudo de caso, buscou-se investigar o (des)preparo pedagógico dos professores de Química para o trabalho com alunos com deficiência, principalmente no que se refere a sua formação e às políticas públicas de inclusão escolar, como base orientadora no trabalho dos docentes com estes discentes. Considera-se essencial entender como os professores se sentem em relação ao trabalho em sala de aula com tais alunos, tendo-se em vista que esta é, ainda, uma vertente pouco “pesquisada” do tema Educação Inclusiva. Os dados foram obtidos em duas etapas: a primeira envolveu a aplicação de questionários e, a segunda, a técnica de grupo focal, a qual foi desenvolvida com seis professores de Química de escolas da rede estadual e particular da região centro-sul do estado de Sergipe. O trabalho com o grupo focal possibilitou ampliar a expressão dos sujeitos da pesquisa por meio de sua participação nas discussões e reflexões voltadas para as suas necessidades frente à diversidade da sala de aula. Os dados obtidos foram submetidos à Análise Textual Discursiva, apresentada por Moraes e Galiazzi (2011), a qual se desenvolve por meio de três principais etapas: unitarização, categorização e elaboração de metatexto. Os dados obtidos expressam o quanto os professores se sentem inseguros e desamparados diante do aluno com deficiência. Eles mostram indignação diante das políticas públicas, as quais buscam garantir o acesso de alunos com deficiência ao ensino regular, mas não garantem condições para que trabalhem adequadamente com tais alunos. Nessa perspectiva, declaram que a educação inclusiva é apenas aparente, pois faltam recursos materiais e humanos para tal trabalho. Entretanto, é perceptível que tal indignação não se materializa em ações que requeiram, tanto dentro quanto fora da escola, as condições organizacionais que proclamam. Seus depoimentos expressam uma paralisação diante da incoerência que percebem na implementação de uma educação inclusiva, levando em conta alunos com deficiência. Isso ressalta a necessidade de investimento na formação dos professores para que (re)elaborem seu olhar sobre a educação inclusiva, em paralelo à uma política que invista mais em condições materiais e apoio que favoreçam a melhoria de suas ações pedagógicas.
Abstract: The presence of students with disabilities in regular teaching classrooms is becoming a reality every day, and such a condition is inherent in a society that wants to be more egalitarian and democratic. Education has traced ways for the inclusion of students with some type of disability in schools, so as not to segregate them from the others and prepare them for their action in society, starting from legislation that seeks to ensure Inclusive Education in public and private school institutions. It is based on the assumption that scientific knowledge plays an important role in building people's autonomy and that, at any moment, the teacher may encounter a student with a disability in the classroom. In view of this situation, the discussions presented in this dissertation originate from a research that aims to analyze the conceptions of a group of teachers of Basic Chemistry about the challenges faced and the didactic strategies used to attend students with disabilities. Through a case study, we sought to investigate the pedagogical (dis) preparation of teachers of chemistry to work with students with disabilities, mainly in relation to their training and public policies of school inclusion, as a guiding base in the work of teachers with these students. It is considered essential to understand how teachers feel about classroom work with such students, because this is still a poorly researched aspect of inclusive education. The data were obtained in two steps. The first one involved the application of questionnaires while the second one used the focal group technique. The focus group was developed with six chemistry teachers from public and private schools in the state of Sergipe. The work with the focus group made it possible to broaden the expression of the research subjects through their participation in the discussions and reflections focused on their needs regarding the diversity in the classroom. The data obtained were submitted to the Discursive Textual Analysis presented by Moraes and Galiazzi (2011). The data obtained express how much teachers feel insecure and helpless before the disabled student. They show outrage at public policies, which seek to ensure access for students with disabilities to regular education, but do not guarantee conditions for them to work properly with these students. From this perspective, teachers declare that inclusive education is only apparent, since there is a lack of material and human resources for such work. However, it is noticeable that such indignation does not materialize in actions that require, both inside and outside the school. Their statements express a paralysis in the face of the inconsistency they perceive in the implementation of an inclusive education. This highlights ask for investment in the training of teachers to elaborate their view on inclusive education, in parallel to a policy that invest more in material conditions and support that favor the improvement of their pedagogical actions.
Palavras-chave: Ensino de ciências
Ensino de química
Educação inclusiva
Estudantes deficientes
Formação de professores
Alunos com deficiência
Análise textual discursiva
Políticas públicas inclusivas
Students with disabilities
Discursive textual analysis
Inclusive education
Chemistry teaching
Inclusive public policy
área CNPQ: CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO
Idioma: por
País: Brasil
Instituição/Editora: Universidade Federal de Sergipe
Sigla da Instituição: UFS
Programa de Pós-graduação: Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática
Citação: MENEZES, Uilde de Santana. Os desafios dos professores de química na perspectiva da educação inclusiva : entraves ante (des)preparo pedagógico. 2017. 129 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, 2017.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://ri.ufs.br/handle/riufs/5104
Aparece nas coleções:Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
UILDE_SANTANA_MENEZES.pdf1,06 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.