Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/6784
Tipo de Documento: Monografia
Título: Estrutura da taxocenose dos anelídeos poliquetas do complexo estuário do rio São Francisco
Título(s) alternativo(s): Structure of the taxocenosis of the polychaete annelids of the São Francisco estuary complex
Autor(es): Souza, José Weverton Santos de
Data do documento: 18-Mai-2016
Orientador: Guimarães, Carmen Regina Parisotto
Resumo: Polychaeta compreende uma classe de vermes metamerizados, portadores de parapódios e cerdas, que juntamente com os Clitellata (Oligochaeta e Hirundinea), integra o Filo Annelida. A poliquetofauna brasileira distribui-se por diversos ecossistemas e reflete uma vasta diversidade de ambientes, pois podem ser encontrados em recifes de corais, costões rochosos, manguezais e estuários. Embora este grupo tenha começado a ser estudado no Brasil a partir da década de 1970, tais estudos concentram-se principalmente nas regiões sul e sudeste do país, mesmo nos últimos anos tendo ocorrido uma intensificação das pesquisas, alguns estados, a exemplo de Sergipe, continuam a ter sua fauna poliquetológica pobremente conhecida. Diante disto, este estudo teve como objetivo caracterizar as assembleias estruturais e funcionais dos poliquetas que vivem nos sedimentos inconsolidados do Canal do Parapuca, estuário do rio São Francisco, Sergipe; (i) Identificar as famílias de poliquetas do Canal do Parapuca; (ii) Categorizar a poliquetofauna em guildas tróficas e mobilidade; (iii) Calcular os descritores ecológicos de diversidade, equitatividade, dominância, riqueza e abundância; (iv) Descrever os padrões de distribuição espacial e temporal; e (v) Relacionar a poliquetofauna às variáveis ambientais da água e do sedimento. Para isso, foram realizadas duas campanhas amostrais (período chuvoso (PC) e seco (PS)). Para coleta do material foi utilizado um van Veen de 3,6 litros, sendo as amostras obtidas em triplicata abrangendo 22 estações. Em laboratório o material foi lavado (sob peneira de 500µm) e triado (sob lupa Leica MZ8 e Motic). A poliquetofauna totalizou uma abundância de 9.111 indivíduos envolvendo 3 Subclasses, 2 Ordens, 5 subordens e 21 famílias. A família mais abundante foi Spionidae (N = 1.268 e Fr = 44,6% no PC; e N = 4.097 e Fr = 65,3% no PS), seguido por Capitellidae (N = 923 e Fr = 32,4% no PC; e N = 1.642 e Fr = 26,1% no PS). A taxocenose apresentou predomínio de Carnívoros (Fr = 28% no PC e 27% no PS) e consumidores de depósitos de subsuperfície (Fr = 26% no PC e 27% no PS), com padrão de mobilidade errante (Fr = 80,9%). Foi observado em ambos os períodos sazonais um padrão de distribuição multimodal, com picos de abundância em 7 estações do PC e 5 estações no PS. As maiores riquezas foram encontradas nas estações 14 (S = 7), 17 (S = 7) e 22 (S = 10) do PC e nas 14 (S = 7), 15 (S = 7) e 16 (S = 11). Em ambos períodos apenas Spionidae (Fo = 68% no PC e 63,6% no PS) foi considerada constante (Fo > 50%). Observou-se 3 associações (A1, A2 e A3) em ambos períodos sazonais - A1: Spionidae e Capitellidae em grandes abundâncias; altos níveis de MO e CaCO3. A2: altos níveis de salinidade e pH e baixa abundância de Spionidae e Capitellidae. A3: grande área azoica. A variação da poliquetofauna no tempo, não foi significativa (p < 0,05). A partir dos resultados, foi possível inferir que o Canal do Parapuca apresenta baixa riqueza de famílias, onde as mais expressivas são os Spionidae e Capitellidae, fazendo com que a diversidade da área fosse considerada moderada (H’ > 1 = 3 bits/ind-1) além de baixa equitatividade e elevada dominância.
Palavras-chave: Ecologia
Ecology
Ensino de ecologia
Ecology teaching
Rio São Francisco
Bacia do Rio São Francisco
área CNPQ: CIENCIAS BIOLOGICAS::ECOLOGIA::ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS
Idioma: por
Sigla da Instituição: Universidade Federal de Sergipe
Departamento: DECO - Departamento de Ecologia – São Cristóvão - Presencial
Citação: SOUZA, José Weverton Santos de. Estrutura da taxocenose dos anelídeos poliquetas do complexo estuário do rio São Francisco. 2016. Monografia (Graduação em Ecologia) - Departamento de Ecologia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, 2016
URI: https://ri.ufs.br/handle/riufs/6784
Aparece nas coleções:Ecologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
José Weverton santos de Souza.pdf2,3 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.