Please use this identifier to cite or link to this item: https://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/6827
Document Type: Monografia
Title: Frequência de anticorpos irregulares em pacientes politransfundidos em hemocentros no Brasil : uma revisão narrativa
Authors: Oliveira, Amanda Santos de
Issue Date: 18-Apr-2016
Advisor: Lima, Dulce Marta Schimieguel Mascarenhas
Resumo : A descoberta dos antígenos eritrocitários foi considerada um dos avanços mais importantes nas pesquisas da área médica, na primeira metade do século XX. Desde que o sistema ABO foi identificado, em 1900, foram descritos mais de 250 antígenos eritrocitários, organizados em sistemas. Os anticorpos antieritrocitários classificam-se em regulares e irregulares. Os primeiros se desenvolvem naturalmente após o nascimento, como anti-A, anti-B e anti-AB, todos do sistema ABO. Os irregulares (sistemas Rh, Kell, MNS, Lewis, Duffy, Kidd e outros) se desenvolvem em decorrência de transfusões ou gestações incompatíveis, não sendo encontrados normalmente. O presente trabalho teve como objetivo analisar a frequência dos anticorpos antieritrocitários irregulares em pacientes politransfundidos em Hemocentros no Brasil. Trata-se de uma pesquisa descritiva, exploratória, retrospectiva com abordagem quantitativa. Na abordagem quantitativa foi realizada uma pesquisa de artigos publicados no Brasil no período de 2008 a 2015. Foram analisados sete artigos científicos e um relato de caso, publicados no Brasil, totalizando 1.337 anticorpos irregulares descritos em todos os trabalhos. Quanto à frequência dos anticorpos, verificou-se que as imunoglobulinas do Sistema Rh estão entre as mais frequentes, antiD (27,45%), anti-E (24,60%), apresentando 71,45% do total de anticorpos irregulares identificados. Os anticorpos irregulares do Sistema Kell vêm em segundo lugar com a frequência do anti-K igual a 11%. Os testes mais utilizados na Pesquisa de Anticorpos Irregulares foram o de Coombs direto e indireto e a técnica de gel-centrifugação. Na identificação dos Anticorpos Antieritrocitários Irregulares foi utilizado o painel de hemácias marcadas, e a técnica de gel-centrifugação. As enfermidades associadas à transfusão mais citadas foram anemia falciforme (47%), doenças oncológicas (12%) e anemia por hemorragia aguda (12%). Com o aumento do emprego das transfusões sanguíneas em cirurgias, transplantes e tratamento clínico do câncer, passou-se a observar um aumento da ocorrência de aloimunização nos indivíduos politransfundidos Este estudo mostra a importância da pesquisa e identificação de anticorpos irregulares em doadores e receptores para diminuir o risco de aloimunização em pacientes politransfundidos. Ela é uma ferramenta muito importante e que tem como objetivo aumentar a segurança das transfusões sanguíneas realizadas no âmbito hospitalar.
Keywords: Farmácia
Farmacologia
Ensino de famacologia
Hematologia
Hemocentros
Subject CNPQ: CIENCIAS BIOLOGICAS::FARMACOLOGIA::FARMACOLOGIA GERAL
Language: por
Institution: Universidade Federal de Sergipe
Department: DFA - Departamento de Farmácia – São Cristóvão - Presencial
Citation: OLIVEIRA, Amanda Santos de. Frequência de anticorpos irregulares em pacientes politransfundidos em hemocentros no Brasil: uma revisão narrativa. 2016. CD-ROM Monografia (Graduação em Farmácia) - Departamento de Farmácia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de Sergipe, SE, 2016.
URI: https://ri.ufs.br/handle/riufs/6827
Appears in Collections:Farmácia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Amanda Santos de Oliveira.pdf987,73 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.