Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/9882
Tipo de Documento: Monografia
Título: Dinâmica populacional de marmosa demerarae e Marmosops Incanus (Mammalia : Didelphimorphia) em um remanescente de Mata Atlântica em Sergipe
Autor(es): Conceição, Anderson Mendonça
Data do documento: 30-Out-2017
Orientador: Bocchiglieri, Adriana
Resumo: A dinâmica populacional analisa como a estrutura de uma população se modifica no tempo e espaço, sendo influenciada por fatores exógenos e endógenos. Objetivando avaliar a dinâmica populacional de marsupiais em um remanescente de Mata Atlântica denominado Refúgio de Vida Silvestre Mata do Junco, em Sergipe, foram utilizadas 60 armadilhas Sherman (solo e a 1,5 m de altura), de setembro/2012 a agosto/2016. As populações de marsupiais foram caracterizadas através da abundância, razão sexual, tempo de permanência, estrutura etária e o estágio reprodutivo. Para um esforço amostral de 5.280 armadilhas/noites e sucesso de captura de 4,64%, foram capturados 63 indivíduos de M. demerarae (134 capturas; 71 recapturas), sendo 34 machos e 29 fêmeas (1,17:1; p= 0,614), e 49 indivíduos de M. incanus (111 capturas; 62 recapturas), sendo 38 machos e 11 fêmeas (3,45:1; p= 0,0002). O desvio na razão sexual de M. incanus pode estar associado a maior área de vida dos machos e as restrições das fêmeas no uso do habitat durante a reprodução. A permanência média dos sexos na área foi menor para os machos de M. incanus (machos= 3,6 meses; fêmeas= 4 meses; tmáximo= 14 meses/macho) e M. demerarae (machos= 2,7 meses; fêmeas= 3,0 meses; tmáximo= 25 meses/fêmea), podendo estar associado ao maior deslocamento desse sexo na reprodução e as dispersões. A maior captura de adultos de M. demerarae (73,13 %) e M. incanus (73,87%) pode sugerir variações no uso do habitat entre classes de idade para evitar competição. As flutuações populacionais não indicaram tendência de crescimento ou declínio para M. demerarae (τ= 0,333; p= 0,248) e M. incanus (τ= 0,666; p= 0,087), classificando as populações como estacionais. As variações nas médias de precipitação mensal não influenciaram a abundância de M. demerarae (rs= 0,142; p= 0,356) e M. incanus (rs= 0,025; p= 0,869), assim como a ocorrência de fêmeas reprodutivas para as espécies (rsM.d.= -0,200; p= 0,191 e rsM.i.= -0,234; p= 0,125). Possivelmente a alteração ambiental proporcionada após a chuva (maior abundância de alimento) seja mais importante do que a própria precipitação. A partir deste estudo conclui-se que as flutuações populacionais dos marsupiais capturados são estacionais, assim a atuação dos fatores exógenos e endógenos não afastam a população do equilíbrio
Palavras-chave: Biologia
Ensino de biologia
Mata Atlântica
Sergipe (SE)
Mata do Junco (SE)
Reprodução
área CNPQ: CIENCIAS BIOLOGICAS::ECOLOGIA::ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS
Idioma: por
Sigla da Instituição: Universidade Federal de Sergipe
Departamento: DBI - Departamento de Biologia – São Cristóvão – Presencial
Citação: Conceição, Anderson Mendonça. Dinâmica populacional de Marmosa Demerarae e Marmosops Incanus (Mammalia : Didelphimorphia) em um remanescente de Mata Atlântica em Sergipe. São Cristóvão, SE, 2017. Monografia (bacharelado em Biologia) – Departamento de Biologia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2017
URI: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/9882
Aparece nas coleções:Biologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Anderson_Mendonça_Conceição.pdf2,05 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.