Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/6978
Tipo de Documento: Monografia
Título: Análise preliminar da toxicidade aguda do tolueno em misidáceo Mysidpsis Juniae (Mysidacea:Crustacea)
Autor(es): Nascimento, Maggie Karoline Silva
Data do documento: 23-Fev-2015
Orientador: Gonçalves, Jeamylle Nillin
Resumo: Os hidrocarbonetos monoaromáticos conhecidos como BTEX (Benzeno, Tolueno, Etilbenzeno e os Xilenos) podem ser encontrados no ar a partir da combustão de derivados de petróleo e da volatilização durante a comercialização da gasolina, podendo atingir o meio aquático por deposição atmosférica, ou ainda, pela solubilização em meio aquoso (lençol freático, rios e oceanos) por meio do lançamento de água produzida, dos acidentes e vazamentos de petróleo. Apesar da rápida volatilização diversos estudos tem mostrado que podem causar efeitos adversos nos organismos aquáticos. O misidáceo Mysidopsis juniae é um microcrustáceo que representa o grupo do zooplâncton de grande importância na cadeia alimentar marinha, e no Brasil, vem sendo utilizado no monitoramento ambiental das atividades petrolíferas. Contudo, os efeitos das substâncias presentes no petróleo e seus derivados para essa espécie ainda são poucos estudados. Dessa forma, o presente trabalho teve por objetivo avaliar a sobrevivência dos misidáceos expostos ao tolueno. Juvenis de M. juniae (1 a 8 dias de vida) foram expostos à diversas concentrações de tolueno diluído em água do mar artificial, durante 96 h, sem renovação do meio ou aeração. Foram realizados quatros experimentos em faixas de concentração variadas (1º experimento de 0,1 a 0,8 mg L-1, 2º experimento de 1,07 a 4,29 mg L-1, 3º experimento de 6,45 a 10,72 mg L-1, e 4º experimento de 50 a 200 mg L-1). Nos três primeiros ensaios não houve mortalidade significativa, sendo então necessário o aumento das concentrações, que por sua vez causou a mortalidade de 100% dos organismos. Dessa forma, ainda não foi possível determinar a concentração letal a 50% dos organismos (CL50), e novos ensaios devem ser realizados na faixa de concentração de 10 a 50 mg L-1. Ensaios realizados com outras espécies de microcrustáceos (Metamysidopsis elongata atlântica, Daphnia magna, Ceriodaphnia dúbia) mostraram que concentrações menores (µg L-1) de tolueno causaram efeitos adversos, sugerindo que o Misidopsis juniae, é o menos sensível ao tolueno que tais espécies.
Palavras-chave: Ecologia
Ecotoxicologia
BTEX
Poluição marinha
Petróleo
Toxicologia
Mysidacea
Crustacea
área CNPQ: CIENCIAS BIOLOGICAS::ECOLOGIA::ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS
Idioma: por
Sigla da Instituição: Universidade Federal de Sergipe
Departamento: DECO - Departamento de Ecologia – São Cristóvão - Presencial
Citação: NASCIMENTO, Meggie Karoline Silva. Análise preliminar da toxicidade aguda do tolueno em misidáceo Mysidpsis Juniae (Mysidacea:Crustacea). 2015. Monografia (Bacharelado em Ecologia) - Departamento de Ecologia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, 2015.
URI: https://ri.ufs.br/handle/riufs/6978
Aparece nas coleções:Ecologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Maggie_Karoline_Silva_Nascimento.pdf555,07 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.