Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/9888
Tipo de Documento: Monografia
Título: Biomonitoramento da água na sub-bacia hidrográfica do rio Poxim, Sergipe
Autor(es): Silva, Tatiane Costa
Data do documento: 27-Set-2017
Orientador: Ambrogi, Bianca Giuliano
Coorientador: Oliveira, José Dantas de
Resumo: Os ecossistemas aquáticos estão constantemente sendo contaminados. Muitas das alterações antrópicas não são percebidas pelo homem. Comumente o monitoramento realizado para se estimar a qualidade da água é feito por meio de análises físico-químicas e bacteriológicas, mas muitos pesquisadores têm apontado que só esses parâmetros não são o bastante para avaliar o estado de conservação do ambiente aquático, em especial a poluição causada por contaminação difusa, como os agrotóxicos. O biomonitoramento com o emprego de insetos aquáticos como bioindicadores da qualidade da água está sendo bastante usado em vários países. Os insetos são considerados ótimos biondicadores por refletirem as mudanças ambientais, sendo, portanto, sensíveis ou tolerantes a poluição. O presente estudo teve como objetivo avaliar a qualidade da água do rio Poxim Açu e do rio Poxim Mirim, por meio de parâmetros físico-químicos e bacteriológicos e também por meio de índices bióticos BMWP, ASPT e EPT, além dos índices ecológicos como abundância, riqueza, diversidade e composição. Para isso foi aplicado o Protocolo de Avaliação Rápida da Diversidade de Habitats (PARDH), como também foram coletadas amostras de água e insetos em ambos os rios. Foram coletados no total 1077 organismos, distribuídos em oito ordens e 34 famílias. As análises físico-químicas foram inconstantes para estimar a qualidade da água, uma vez que os valores encontrados para diversos parâmetros antes do experimento modificaram dos valores obtidos durante a execução do experimento. Cada índice biótico classificou os rios de formas diferentes, sendo o EPT o que mais se aproximou da realidade de cada rio, reforçando a classificação feita pelo PARDH, em que ambos classificaram o rio Poxim Mirim com o nível de perturbação antrópica alta. Tanto abundância quanto riqueza apresentaram diferença significativa entre os rios, sendo maiores para o rio Poxim Açu, o que indica uma menor perturbação antrópica em relação ao rio Mirim. A composição dos insetos aquáticos também diferiu entre os rios, em razão as diferentes situações em que a água se encontrava, o que corrobora para as diferenças na qualidade da água entre os rios, demonstrando a sensibilidade de algumas espécies em relação a contaminação na água
Palavras-chave: Biologia
Ensino de biologia
Qualidade da água
Insetos
Agrotóxicos
Rio Poxim (SE)
Recursos hidricos
Poluição ambiental
Água
Saneamento ambiental
área CNPQ: CIENCIAS BIOLOGICAS
Idioma: por
Sigla da Instituição: Universidade Federal de Sergipe
Departamento: DBI - Departamento de Biologia – São Cristóvão – Presencial
Citação: Silva, Tatiane Costa. Biomonitoramento da água na sub-bacia hidrográfica do rio Poxim, Sergipe. São Cristóvão, SE, 2017. Monografia (licenciatura em Ciências Biológicas) – Departamento de Biologia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2017
URI: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/9888
Aparece nas coleções:Biologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tatiane_Costa_Silva.pdf1,27 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.